Com pagamento atrasado, trabalhadores da Alabastro prometem greve

Contratados pela empresa Alabastro Serviços Terceirizados Ltda., os trabalhadores estão recebendo seus pagamentos com atraso desde fevereiro

Comentar
Compartilhar
18 FEV 201322h01

Cerca de 50 trabalhadores terceirizados que prestam serviços de limpeza nos postos do INSS e Polícia Federal, em Santos, poderão cruzar os braços devido aos atrasos constantes no pagamento dos salários. Contratados pela empresa Alabastro Serviços Terceirizados Ltda., os trabalhadores estão recebendo seus pagamentos com atraso desde fevereiro.

Segundo o presidente do Sindilimpeza, Djalma Sutero da Silva, os trabalhadores aguardam o pagamento do salário para hoje, caso a empresa não execute, será deflagrada greve a partir das 8 horas de amanhã. O salário deve ser pago no quinto dia útil do mês, porém de acordo com Djalma, o pagamento tem sido liberado somente após a intervenção do sindicato. No caso de alguns trabalhadores que prestam serviços à Polícia Federal, o repasse é feito apenas no dia 15 de cada mês.

Segundo Djalma, a empresa tem que pagar 5% de multa sobre o valor do salário para dia de atraso, mas as multas não foram pagas aos funcionários.O sindicalista afirmou que já tentou marcar duas reuniões com a empresa para saber qual o motivo dos atrasos, mas não obteve resposta. Djalma adiantou que caso a empresa continue atrasando os pagamentos recorrerá à Justiça para que a Alabastro quite as multas com os empregados.

Além do atraso nos pagamentos, os funcionários estão recebendo ¼ do vale-transporte e, em etapas: de 15 em 15 dias e, muitas vezes, com valores incompletos, conforme informou o sindicato. Em resposta ao DL, a auxiliar do Departamento Pessoal da empresa Alabastro Serviços Terceirizados Ltda, Karina Maria de Oliveira, disse, por telefone, que os pagamentos foram depositados ontem à tarde e que cairiam hoje na conta dos funcionários.

O motivo dos atrasos não foi informado pela empresa. Procurado novamente no final da tarde de ontem, Djalma afirmou que ainda não tinha conhecimento do depósito do pagamento dos funcionários da Alabastro.