Clima quente é propício para as descargas elétricas

O coordenador da Defesa Civil em Santos, Daniel Onias, explica que esses fenômenos são rápidos, mas podem causar vítimas fatais.

Comentar
Compartilhar
17 JAN 201411h09

Começou a época das tempestades de verão e junto com ela, os raios. Dados da Cedec (Coordenadoria Estadual de Defesa Civil) indicam o início de um período crítico, entre a segunda quinzena de janeiro e a as primeiras semanas de fevereiro, com calor intenso seguido desses fenômenos meteorológicos.

O coordenador da Defesa Civil em Santos, Daniel Onias, explica que esses fenômenos são rápidos, com duração de poucas horas, característicos da estação, “mas podem causar vítimas fatais”. De acordo com Onias, como estamos numa região litorânea, o clima quente, a umidade e a posição geográfica formam o cenário perfeito para a formação de tempestades. “Nosso cuidado é redobrado e o monitoramento constante”.

Como incidência de raios é grande no verão, o coordenador recomenda que turistas banhistas e moradores saiam imediatamente da praia quando o tempo fechar. Ficar em lugar aberto ou embaixo de uma árvore, também é perigoso. “O melhor é procurar um local fechado, isolado, amparado por paredes de concreto”.

Dados da Cedec (Coordenadoria Estadual de Defesa Civil) indicam o início de um período crítico, entre a segunda quinzena de janeiro e a as primeiras semanas de fevereiro

A preocupação do órgão é mais abrangente. Desde o final de 2013 está em vigor o PPDC (Plano Preventivo da Defesa Civil), que atua nas áreas de risco nos morros. Em Santos, cerca de 1600 moradias estão nas encostas. “Nossos técnicos já orientaram os proprietários a sair dos imóveis a qualquer sinal de perigo”.

A Defesa Civil alerta, que para evitar acidentes é necessário tomar alguns cuidados durante as tempestades.

O que é raio?
É uma descarga elétrica proveniente de uma nuvem de trovoada. Pode ocorrer sem que haja chuva pela eletrificação causada por colisão de cristais de gelo ou nas nuvens de cinza lançadas por um vulcão

>Destaque
Dados do CPTEC (Centro de Previsão de tempo e Estudos Climáticos), ligado ao Ministério da Ciência Tecnologia e Inovação, apontam que cerca de 130 pessoas por ano morrem atingidas por raio no Brasil. O prejuízo causado pelas descargas elétricas é de quase R$ 1 milhão/ano.

Cuidados necessários durante as tempestades

- Exija que a administração do seu prédio instale e faça boa manutenção do sistema de para-raios. Esses equipamentos são obrigatórios para todos os edifícios com mais de 30 m de altura e terrenos com mais de 1500 m².

- Fique longe de árvores, postes ou linhas de energia elétrica, pois podem atrair e conduzir raios.

- Mantenha-se longe de estruturas metálicas, como varais ou trilhos, e não segure objetos pontiagudos ou de metal.

- Dentro de casa evite a proximidade com tomadas, canos, janelas e portas metálicas.

- Para-raios não protegem aparelhos eletrônicos. Desligue as tomadas durante as fortes tempestades e nunca utilize o telefone ou outros aparelhos que estejam ligados à rede elétrica.

- Nunca permaneça na água do mar, lagoas, represas, piscinas, locais altos ou campos abertos ou quadras.

- Procure abrigo em edificações, prédios e carros totalmente fechados ou em alguma instalação subterrânea.

Foto: Stefan Lambauer