Cidoc Santos faz 35 atendimentos por dia

Telefonia ainda lidera ranking de reclamações na Cidade

Comentar
Compartilhar
22 JAN 201323h29

Serviços e produtos de telefonia continuam liderando o ranking de reclamações no Centro de Informação, Defesa e Orientação ao Consumidor (Cidoc Santos). No período de janeiro a outubro deste ano, o órgão municipal de defesa do consumidor recebeu só contra a Telefônica 465 reclamações. Ainda entre as empresas mais reclamadas estão a NET (68), Claro (58), Embratel (54) e Nokia (43).

Mas, de acordo com o coordenador do Cidoc Santos, Adelino Pedro Rodrigues, a proporção de clientes insatisfeitos está diretamente relacionada ao número de consumidores atendidos por uma empresa. Por isso a Telefônica continua figurando como a primeira do ranking em número de reclamações.

No entanto, Adelino ressalta que desde a instalação do posto de atendimento do Cidoc no Poupatempo, a procura de consumidores pelo Cidoc vem aumentando. O Poupatempo aproximou o órgão do consumidor, observa Adelino.

De acordo com Adelino, o Cidoc Santos faz uma média de 35 atendimentos por dia. Em 2009, de janeiro a outubro, foram realizados 5.116 atendimentos, sendo 3.216 queixas solucionadas e 1.900 conciliações. Desse total, 4.335 reclamações foram solucionadas, o que dá um saldo de 84,74% das ocorrências resolvidas.

Adelino explica que para dar entrada na queixa, o consumidor precisa preencher o Cartão de Informação Preliminar (CIPE) relatando o problema, munido de RG, no Poupatempo. Junto ao CIPE, o consumidor precisa anexar a nota fiscal do produto ou um documento que comprove a denúncia.

Segundo Adelino, a partir da entrada da queixa, por meio do CIPE, o Cidoc aciona a empresa reclamada que tem dez dias para se pronunciar sobre o problema. Se a empresa não apresentar uma solução nesse prazo, o órgão de defesa do consumidor convoca audiência de conciliação entre as partes envolvidas. O processo leva, em média, 30 dias, mas dependendo do caso, pode ser solucionado antes ou levar mais tempo.

Adelino afirma que se o consumidor sair da conciliação sem solução para o seu problema, é orientado a recorrer ao Juizado de Pequenas Causas. O coordenador de Defesa do Consumidor da OAB Santos, o advogado Ranieri Cecconi, ressalta que o consumidor tem direitos e deveres.

Ranieri orienta que para reclamar seus direitos, o cliente deve sempre exigir a nota fiscal do produto adquirido ou recibo do serviço contratado. Ranieri esclarece que, primeiramente o consumidor que se sentir lesado deve procurar o Procon ou Cidoc, no caso de Santos.

Caso o problema não seja solucionado nos órgãos executivos de defesa, o consumidor deverá recorrer às agências reguladoras pertinentes à área do problema (Aneel, Anatel, Anvisa, etc). Se ainda assim, o consumidor continuar sem solução, deve procurar a Justiça, mais precisamente, o Juizado de Pequenas Causas. Mas, Ranieri afirma que cada caso é um caso, portanto é “muito importante que o consumidor busque informação”.