Chuvas desabrigam nove famílias em Cubatão

Em apenas 24 horas choveu o que era esperado para 15 dias

Comentar
Compartilhar
13 JAN 201320h59

As chuvas continuam castigando moradores de Cubatão, principalmente na região das encostas. Segundo informações da Prefeitura, entre domingo e segunda-feira choveu o que era esperado para 15 dias.

Caminhões e ônibus foram usados pela Prefeitura de Cubatão para o acesso às áreas de risco nas encostas da Serra do Mar, onde as fortes chuvas impediram a passagem de automóveis. Uma mulher grávida de nove meses foi removida para um dos abrigos, em um dos caminhões da Prefeitura.

“Nas últimas 24 horas, até 17h30, foram registrados 195,8 milímetros de chuva, o equivalente a 15 dias de chuvas normais. A prefeita Marcia Rosa determinou a todo o secretariado plantão em alerta para o atendimento às necessidades emergenciais que estão sendo provocadas pelas chuvas na Cidade.

A Defesa Civil realizou 52 inspeções em imóveis na Cidade, nesta segunda-feira”, informou a Administração Municipal em nota enviada ontem ao DL.

Pilões e Cota 95

Vivendo sob risco iminente, sete famílias da região de Pilões e duas da Cota 95 necessitam de remoção imediata de suas moradias, após o temporal da madrugada passada. Ontem a Coordenadoria Municipal de Defesa Civil de Cubatão (COMDEC) e técnicos da Prefeitura vistoriaram as duas regiões.

Segundo o secretário de Habitação de Cubatão e coordenador do Grupo Executivo das Cotas, Wagner Moura, Pilões é a região mais crítica. E a situação é ainda mais difícil porque as famílias desabrigadas não estão contempladas no Programa de Recuperação da Serra do Mar, que prevê a remoção de mais de 5 mil famílias de áreas de risco de Cubatão para conjuntos habitacionais subsidiados pelo Governo do Estado, por meio da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU).

Ontem à tarde, Moura declarou ao DL que pretende agendar reunião com urgência com o Governo do Estado para incluir as famílias desabrigadas de Pilões no Programa Serra do Mar, para que elas tenham direito ao auxílio-aluguel de R$ 400 mais a garantia de uma unidade habitacional até o final do ano. Caso as famílias não sejam contempladas, receberão apenas o benefício da locação social no valor de R$ 300 que não é suficiente para pagar um aluguel em Cubatão.

Por enquanto, a medida emergencial foi conduzir todas as famílias em situação de risco de Pilões, Grotão e Cota 95 para o antigo abrigo feminino da Prefeitura, na Rua Fernando Costa.

Na Cota 95, após o deslizamento que atingiu duas moradias na madrugada de ontem, os vereadores Severino Tarcísio da Silva, o Doda, e Geraldo Guedes acompanharam o drama de duas famílias que tiveram suas moradias atingidas por um deslizamento de terra. Numa das casas que foi tomada pela lama moravam quatro pessoas. Na outra casa atingida, duas. Ambas foram interditadas pela Defesa Civil.

Doda afirmou que os vereadores solicitarão providências ao secretário de Meio Ambiente Bruno Covas. Já o secretário de Habitação, Wagner Moura, disse, no entanto, que as duas famílias estão amparadas no Programa Serra do Mar e têm direito ao auxílio-aluguel de R$ 400 cada uma com garantia a uma unidade habitacional do programa estadual que deverá sair no final deste ano.

Ao longo do dia, Wagner Moura e outros secretários procuraram convencer as famílias a deixarem suas moradias, devido ao risco iminente.