Chuva mata 21 no ES e governo não dá conta de doações

A estimativa é de que já tenham sido distribuídas mais de mil toneladas de doações - há ainda outras mil em estoque. Ao todo, 50 municípios estão em situação de emergência

Comentar
Compartilhar
26 DEZ 201312h25

Com 21 mortes confirmadas até ontem em decorrência das fortes chuvas que atingem o Espírito Santo, o governo capixaba está com dificuldade de gerenciar a quantidade de donativos principalmente dos moradores de Vitória para os 46 mil desabrigados.

Ontem, embora não tenha chovido, a Secretaria de Estado da Assistência Social solicitou aos moradores que parassem de enviar alimentos e, principalmente, roupas. Apenas um caminhão, com água, deixou o centro de donativos da Praça do Papa. "Natal é dia de ficar com a família, mas acho que todos somos uma única grande família. Por isso, quis vir", disse a fotógrafa Leane Barros, de 29 anos, uma das centenas de voluntários que estavam na praça. Quem apareceu para oferecer ajuda foi orientado a preencher um cadastro de voluntários.

Ao todo, 50 municípios estão em situação de emergência. Há localidades nos municípios de Santa Leopoldina, Baixo Guandu, Itaguaçu e Itarana em que o acesso ocorre apenas de helicóptero. As mortes foram registradas nas cidades de Itaguaçu (oito casos), Colatina (seis) e Baixo Guandu (quatro), além de Domingos Martins, Barra de São Francisco e Nova Venécia, com uma morte em cada.

Segundo a prefeitura de Vitória, cerca de 2 mil voluntários circulam por dia no centro de doações, que estava fechado ontem. A estimativa é de que já tenham sido distribuídas mais de mil toneladas de doações - há ainda outras mil em estoque.

O Estado tem apenas dez caminhões do Exército para fazer o atendimento por terra aos municípios. O grosso do frete é feito por caminhões particulares, cedidos por empresas, em geral empresários conhecidos dos políticos locais, e por pessoas físicas.

Destino. O secretário de Estado da Assistência Social, Helder Salomão, disse que a avaliação é de que é preciso fazer as doações chegarem aos desabrigados. Cerca de 5 mil pessoas estão vivendo em abrigos - o restante está com parentes e amigos.

"Nossa equipe auxiliou Santa Catarina e o Rio de Janeiro quando esses Estados enfrentaram situação semelhante. Lá, o estoque de material doado durou anos. Aqui, as próprias cidades atingidas estão conseguindo trocar doações. O que precisamos, no entanto, ainda é de barcos leves para auxiliar o resgate a quem ainda está nas casas alagadas", afirmou o secretário.