Chuva continua e causa transtornos na Baixada

Em Santos, foram registrados diversos deslizamentos de terra; Bertioga criou comissão para avaliar impactos

Comentar
Compartilhar
19 MAR 2017Por Da Reportagem10h40
Chuva continua e causa transtornos na BaixadaFoto: Divulgação

A chuva, que teve início na tarde de sexta-feira (17), continuou a provocar transtornos nas cidades da Baixada Santista ontem (18). Em Santos, foram registrados diversos deslizamentos de terra. Devido ao alagamento, a entrada da cidade ficou intransitável. Trechos da linha do Veículo Leve sobre Trilho (VLT) ficaram cheios de água.

De acordo com a Defesa Civil de Santos, foram registrados deslizamentos de terra na Rua 1 do Morro da Boa Vista, no Morro do São Bento (subida Jabaquara), no Caminho das Pedras, que fica no Morro do Tetéu, na Vila Vitória, no Morro do José Menino, no Morro do Monte Serrat e no Morro da Caneleira. Um muro de arrimo caiu na Rua Dois do Marapé.

Segundo a Prefeitura, quase 50 funcionários da Secretaria de Serviços Públicos trabalharam durante todo o dia nos locais de alagamentos para minimizar os problemas causados pela chuva na cidade, em especial na entrada do município e nos locais de deslizamentos de terras.

Trecho da linha do VLT, próximo à estação Bernardino de Campos e Rua Marquês de São Vicente, no Campo Grande, ficou alagado. Segundo moradores, os veículos da Prefeitura tiveram dificuldade para chegar o local para fazer a retirada da água.

Os ônibus intermunicipais com destino à Santos, via Avenida Nossa Senhora de Fátima, seguiram em direção contrária, a partir do trecho de alagamento, no Chico de Paula, para acessar a cidade por São Vicente.

De acordo com boletim emitido pela Prefeitura de Santos, no final da tarde ontem, foram registrados 260,4 mm de chuva. A média prevista para o mês de março é de 280 mm. Do início do mês até agora, foram registrados 319 mm. Somente em fevereiro, a quantidade de chuva acumulada foi de 307,7 mm.

Bertioga

O prefeito de Bertioga, Caio Matheus (PSDB), convocou uma reunião em caráter emergencial na manhã de ontem para avaliar os impactos causados pela chuva na cidade. Secretários, Diretores e Técnicos da Defesa Civil estiveram presentes. Só ontem, choveu 147 milímetros, muito mais do que o volume esperado para todo o mês de março (100 mm).

Uma unidade de saúde de Bertioga chegou a ficar alagada, mas a sala de Urgência e Emergência não foi afetada e os casos mais graves foram atendidos. A Defesa Civil instalou uma bomba de emergência no local. Até a noite de ontem não haviam registro de deslizamento ou de pessoas desalojadas na cidade.

Cubatão

Apesar dos registros de importantes alagamentos em municípios próximos, prejudicando o deslocamento intermunicipal de veículos, segundo a Coordenadoria da Defesa Civil de Cubatão, durante a noite de sexta-feira (17) e a manhã de ontem (18) foi registrada apenas uma ocorrência no município: um deslizamento de pequeno porte na comunidade Pedreira Mantiqueira (divisa continental com Santos), às 19h30 de ontem. Equipes da Prefeitura estão monitorando o local.

Segundo a Administração Municipal, os níveis de pluviosidade no município, registrados em todos os postos de coleta de dados, não indicam por enquanto a necessidade de qualquer mudança de nível pelo Plano Preventivo da Defesa Civil ou mudança de estado pelo Plano de Contingência da Serra do Mar.

Os números acumulados em 24 e 84 horas (que servem como referência, junto com a previsão de chuvas para os próximos dias na área), até 5h30 de hoje, indicavam, por exemplo, 74,6 e 81,0 mm de chuva no posto de controle da Cosipa e números bem inferiores nos demais postos cubatenses e da Serra do Mar.

Por conta das fortes chuvas a apresentação “Concertante”, da Banda Sinfônica de Cubatão, que seria realizada na noite de ontem, no Bloco Cultural da cidade, foi adiada. Uma nova data do espetáculo será informada em breve pela coordenação.

São Vicente

São Vicente registrou alagamentos em locais conhecidos por este tipo de ocorrência como o Viaduto Mario Covas, na Vila Margarida, Avenida Senador Salgado Filho, no Joquéi Clube, Avenida Capitão Luís Pimenta, no Parque Bitarú, e em vias do Centro e do Itararé. Até a tarde de ontem o volume acumulado de 12 horas, na cidade, era de 107,2 mm.

Tempo

Segundo informações do Instituto Climatempo, a frente fria começou a se afastar para o Rio de Janeiro, mas um sistema de baixa pressão irá se formar hoje reforçando as nuvens de chuva em todo o litoral. A chuva mais volumosa deve começar a dar uma trégua a partir de amanhã.