Cheia no Amazonas deixa 17 cidades em situação de emergência

Segundo a Defesa Civil do estado, a cidade de Tonantins passou a compor a listagem emergencial do órgão, além de todos os municípios do Médio Solimões que entraram em alerta

Comentar
Compartilhar
23 ABR 201516h33

Mais de 107 mil pessoas foram afetadas pelas cheias nos rios do Amazonas. O município de Boca do Acre está em estado de calamidade pública e 17 municípios estão em situação de emergência. Segundo a Defesa Civil do estado, a cidade de Tonantins passou a compor a listagem emergencial do órgão, além de todos os municípios do Médio Solimões que entraram em alerta (Fonte Boa, Uarini, Alvarães e Tefé).

Os municípios em situação de emergência são: Itamarati, Guajará, Ipixuna, Eirunepé, Envira, Canutama, Tapauá, Carauari, Pauiní, Lábrea, Atalaia do Norte, Benjamin Constant, Tabatinga, Amaturá, Santo Antônio do Iça, São Paulo de Olivença e Tonantins. O município de Humaitá, banhado pelo Rio Madeira, também está em situação de alerta.

Tonantins, no Alto Solimões, tem 3.164 pessoas afetadas pela enchente. O governo do estado disponibilizou 52 toneladas de alimentos para o município. A Defesa Civil do Amazonas já totaliza 363 toneladas de alimentos não perecíveis enviadas às cidades afetadas pelas cheias. O governo estadual também já fez repasses financeiros às prefeituras de Boca do Acre, Envira, Itamarati e Eirunepé, no valor total de R$ 1,2 milhão, para ser usado no socorro às vítimas.

Hoje (23), o Ministério da Integração Nacional reconheceu a situação de emergência em Amaturá. O reconhecimento facilita a obtenção e liberação de recursos da União para a reconstrução das áreas atingidas e auxílio às vítimas. O ministério também autorizou o empenho e repasse de R$ 237,5 mil ao município de Carauari, com prazo de 180 dias para aplicação em obras e serviços essenciais. As portarias foram publicadas no Diário Oficial da União.