Cegueira avança com a idade, diz oftalmo

A cada cinco segundos uma pessoa fica cega no mundo, segundo OMS.

Comentar
Compartilhar
16 DEZ 201217h33

Na semana do Dia Nacional do Deficiente Visual, cuja data foi celebrada no último dia 13 de dezembro, vale retomar o propósito da Organização Mundial da Saúde (OMS) com o Programa Visão 2020: o Direito à Visão. O fato que levou ao desenvolvimento deste programa foi a constatação de que a cada cinco segundos uma pessoa fica cega no mundo. E esta situação chega ao extremo, muitas vezes, por falta de informação, pois até 75% das cegueiras resultam de causas previsíveis e/ ou tratáveis.

Alguns fatores influenciam na representatividade desse índice. E o aumento da estimativa de vida é um deles, observa o diretor e especialista em retina do Hospital Oftalmológico de Brasília (HOB), o oftalmologista Sérgio Kniggendorf.

Resultados recentes divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) confirmam que a média de vida do brasileiro passou de 71,2 anos para 73,3 anos. Há 50 anos, a expectativa de vida no País era de 48 anos. De acordo com o oftalmologista, “a população vivendo mais tempo, problemas de saúde como a Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI) apresentam crescimento também”.

A DMRI, explica Kniggendorf, é um problema ocular diretamente relacionado a uma degeneração ocasionada pela idade, como o nome sugere. Esta degeneração afeta a mácula (parte central da retina), provocando lesões irreversíveis com perda da visão central. “Com o passar do tempo, as células da retina começam perder a funcionalidade devido ao aparecimento de manchas, pigmentações, hemorragias e fibroses na mácula”, completa.

A cada cinco segundos uma pessoa fica cega no mundo (Foto: Divulgação)
Abrangência

Dados da OMS apontam que o número de pessoas que perderão a visão por causa da DMRI deve chegar a seis milhões/ ano em 2020, o dobro das vítimas registradas em 2010. Ainda segundo a Organização, a DMRI atinge entre 5% da população mundial com idade entre 65 e 74 anos e 25% dos indivíduos com idade acima de 74 anos.