CDHU traçará perfil do mutuário da Região

A pesquisa já está sendo realizada e o objetivo é solucionar problemas apontados pelas famílias nas entrevistas e rever gestões aplicadas no programa habitacional

Comentar
Compartilhar
09 FEV 201320h34

O perfil socioeconômico dos mutuários dos conjuntos da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU) da Baixada Santista e do Vale do Ribeira será conhecido em aproximadamente seis meses. A pesquisa já está sendo realizada e o objetivo é solucionar problemas apontados pelas famílias nas entrevistas e rever gestões aplicadas no programa habitacional.

Segundo o gerente regional da CDHU da Baixada Santista, José Marcelo Ferreira Marques, a partir dos dados coletados na pesquisa que é feita casa a casa será traçado um diagnóstico de cada conjunto habitacional. O censo habitacional busca esclarecer os motivos da falta de manutenção nos imóveis e no prédio, inadimplência, situação condominial, entre outras questões.

De acordo com José Marcelo, em Santos a inadimplência está entre 8 a 9%. Em Itanhaém, ao menos 25% dos mutuários estão com prestações em atraso. No Vale do Ribeira, as pendências financeiras envolvem de 20 a 25% dos mutuários.

“Os motivos da inadimplência variam de região para região. Há lugares onde a inadimplência é sazonal: dependendo do trabalho do mutuário, ele fica alguns meses sem pagar e depois acerta tudo de uma vez. Mas, há lugares onde a inadimplência é constante e chega ao ponto da retomada do imóvel pela companhia. Através do censo saberemos porque esses mutuários não estão pagando seus apartamentos”.

Propriedade regularizada

O censo também avaliará se há irregularidades na documentação do proprietário do imóvel. “Por lei, o mutuário só pode vender o imóvel após dois anos”. Além da documentação, será verificado se os imóveis entregues estão realmente ocupados pelos mutuários. “Há apartamentos, por exemplo, sendo usados para locação de temporada, o que sai da finalidade do programa da CDHU que é oferecer habitações para famílias que residem em favelas, por exemplo”.

José Marcelo orienta que é importante que as famílias recebam o pessoal que fará a entrevista porque o objetivo do censo é “identificar os problemas e tentar soluciona-los”. Só na Baixada Santista e Vale do Ribeira há 9.929 famílias que residem em 254 conjuntos habitacionais.

Informações

Mutuários podem esclarecer dúvidas sobre o censo no posto da CDHU instalado no Poupatempo (Rua João Pessoa, 246), das 9 às 18 horas, ou pelo telefone 3202-1791.