Casal acusa Hospital Santo Amaro de suposta negligência médica

Direção do hospital afirma que caso será submetido à análise técnica de Comissão Independente

Comentar
Compartilhar
18 JUN 2019Por Carlos Ratton07h20
O casal Nicole Valéria e Renato Cavalcante não consegue superar o trauma e acredita que houve negligência médicaFoto: Carlos Ratton/DL

O casal Renato e Nicole Valéria da Silva Cavalcante vai ingressar com uma ação judicial contra o Hospital Santo Amaro, em Guarujá, por suposta negligência médica que teria levado à perda da bebê na madrugada do último dia 8. Renato registrou boletim de ocorrência na Delegacia sede do Município.

Ontem, em frente ao hospital, junto com o advogado Eduardo Diogo Cardoso Brazolin, o casal, se mostrando ainda muito abalado com o episódio, revelou que Nicole teria que ser submetida a uma cesariana, no entanto, na troca da equipe médica, foi decidido pelo parto normal, ocasionando a morte de sua primeira filha.

Conforme detalharam, durante os meses de gestação, todos os exames foram feitos e tanto a Nicole, como a bebê, estavam saudáveis. A última consulta de Nicole ocorreu dia 4 de junho, no posto de saúde. Dia 6, a mãe deu entrada no Santo Amaro com um dedo de dilatação. Nicole passou um dia inteiro com contrações. Dia 7 a bolsa foi deslocada e rompeu por volta das 9 horas.

O casal afirma que uma médica disse que se às 21 horas do mesmo não houvesse parto normal, que a Nicole teria que ser submetida a uma cesariana. Renato afirma que tem testemunha da conversa. No entanto, mudou o plantão e o parto normal teria sido forçado e a bebê teria morrido por falta de oxigênio.

"O quartinho já estava pronto. Eu esperava sair com minha filha nos braços. Não está sendo fácil superar a perda. A Nicole acorda todas às noites chorando. O trauma é grande. Um pedaço da gente que se perdeu. Por isso, vamos ingressar com uma ação para que a Justiça seja feita", revela Renato. "Eu não tinha passagem suficiente, por isso, teria que ser cesariana. Até sexta-feira à noite (7), eu estava com cinco dedos de dilatação. Meu marido reclamou, mas o parto normal foi forçado. Eu perdi muito sangue e minha menina não resistiu", reforça Nicole.

O advogado Eduardo Brazolin afirma que pretende provar que houve negligência assim que os laudos do Instituto Médico Legal (IML) forem apresentados. "Vamos representar civilmente e aguardar a Policia apurar se houve crime", comenta.

O Hospital Santo Amaro informa que lamenta o ocorrido e se solidariza com a família. O caso será submetido à análise técnica de Comissão Independente e eventuais responsabilidades administrativas, civis e criminais serão imputadas a quem de direito.

Colunas

Contraponto