Presidente da Liga das escolas de samba descarta falha mecânica

Segundo informações, apenas três homens estavam conduzindo o carro da escola Sangue Jovem envolvido no acidente. Eles morreram no local

Comentar
Compartilhar
13 FEV 201310h14

O prefeito Paulo Alexandre estava acompanhado do secretário de Cultura, Raul Christiano, do secretário de Comunicação Rivaldo Santos e do presidente da Liga das Escolas de Samba, Heldir Lopes Penha.

“Não houve dano algum no carro da escola”, disse o presidente da Liga, descartando informações do boletim de ocorrência registrado pelo delegado Leonardo Amorim Nunes Rivau, dando conta de que a barra de direção do carro teria se quebrado e o veículo perdido o controle, atingindo o meio fio e a fiação elétrica.

Heldir Penha, porém, revelou que, em média, de oito a 10 pessoas formam uma equipe ideal para empurrar um carro do tamanho do envolvido no acidente. Vale a pena lembrar que 11 escolas já haviam desfilado, com uma média de cinco carros alegóricos cada, sem problema algum.

Segundo informações, apenas três homens estavam conduzindo o carro da escola Sangue Jovem envolvido no acidente. Eles morreram no local. “A responsabilidade pelo número de pessoas para empurrar o carro é da agremiação”, disse Heldir Penha. 

O presidente da liga, que já trabalhou em empresa de energia elétrica, disse que, provavelmente, o carro serviu como uma espécie de aterramento à descarga. “Muitas pessoas tentaram, jogando cadeiras nos fios, isolar e interromper a rede, mas tudo foi em vão. O material do carro é de alta combustão”, revelou.

Apesar da fatalidade, Heldir Penha não acredita que o acidente deverá atrapalhar o andamento dos futuros carnavais. “Está doendo muito. Estávamos muito alegres e, de repente, uma ducha de água fria estraga a festa. Porém, acredito que tudo isso vai passar, embora devamos lembrar sempre desse dia. Vamos dar um tempo para decidir o que iremos fazer”, finalizou. 

Vítimas - Três delas foram contratadas pela escola para conduzir o carro (Foto: Matheus Tagé/ DL)

O secretário Raul Christiano disse, após a coletiva, que o evento caminhava para a perfeição e que o desnível do chão nunca foi levado como um problema à Comissão de Carnaval. “O local atendia plenamente as expectativas das agremiações”, afirmou.

Raul Christiano completa: “era como se tivéssemos no sonho da perfeição e acordássemos num pesadelo. Foi uma surpresa muito ruim. Vamos aguardar a perícia e avaliar com profundidade o problema”, revela Christiano, enfatizando que escolas e a população concordaram com o cancelamento dos desfiles e da programação com muita serenidade. “Santos está de luto”, emendou.  

Acidente causa apagão e cancela desfiles

Conforme apurado ontem, O acidente ocorreu na madrugada de ontem, por volta das 1h20. Três integrantes da Escola de Samba Sangue Jovem, do Santos Futebol Clube, que conduziam o carro e uma mulher que assistia ao desfile morreram eletrocutadas. A espectadora (Mirela Diniz Garcia) chegou a ser levada para o Pronto-Socorro da Zona Noroeste, mas não resistiu.

O fogo no carro começou logo após a alegoria bater nos fios, já na dispersão. O sambódromo ficou às escuras e centenas de casas do entorno também. Os desfiles foram cancelados. O ex-jogador Coutinho e 25 crianças que estavam no carro alegórico “Rei da Bola”, que homenageava o ex-jogador Pelé, desceram momentos antes do acidente. Cinco pessoas ficaram feridas e foram encaminhadas para atendimento.

Por volta das 2h40, os organizadores do carnaval anunciaram ao público que não haveria mais desfiles na noite. Após o anúncio, milhares de pessoas que ainda estavam no sambódromo se deram as mãos e fizeram um minuto de silêncio.

A decisão de interromper o desfile foi tomada em uma reunião com todos os presidentes das escolas de samba do grupo especial e o prefeito Paulo Alexandre Barbosa. Os homens que conduziam o carro eram Wictor Ferreira, Ludenildo da Silva Militão e Leandro Monteiro.

Providências - Prefeito Paulo Alexandre Barbosa cancela programação, decreta luto oficial de três dias e pretende reforçar segurança para 2014 (Foto: Matheus Tagé/ DL)

Cidades se solidarizam com Santos

A Prefeitura de Guarujá, a Liga das Escolas de Samba da Cidade e Comissão de Carnaval decidiram suspender o Desfile das Campeãs do Carnaval Guarujaense, que aconteceria ontem, na Passarela do Samba em Vicente de Carvalho. 

A prefeita Maria Antonieta de Brito lamenta o trágico acidente ocorrido e se solidariza com toda a população santista, com a comunidade da agremiação, com os membros da Sangue Jovem e com a família das vítimas.

“Este é um momento de extrema tristeza pra todos que gostam e fazem parte do mundo do samba, do carnaval. Temos em Guarujá a escola Mocidade Amazonense que compete no Carnaval santista. Todos estão muito tristes. Não há clima para a realização do Carnaval na nossa Cidade”.

Cubatão

Os eventos oficiais de Carnaval em Cubatão foram suspensos em solidariedade ao acidente na Passarela do Samba Dráusio da Cruz. A decisão foi tomada pelo prefeito em exercício, Donizete Tavares do Nascimento, em comum acordo com os organizadores dos festejos, após reunião no início desta tarde, na sede da Secretaria de Cultura.

Donizete conversou por telefone com o secretário de Cultura de Santos, Raul Christiano, manifestando seus votos de pesar e solidariedade à população santista. Para o prefeito em exercício, não há condições de manter os festejos. “A região está de luto em decorrência do acontecido”, afirma em nota. 

São Vicente

A Prefeitura de São Vicente informa que está decretado luto oficial de três dias em função do ocorrido no desfile das Escolas de Samba do grupo especial de Santos. O vice-prefeito João da Silva esteve no velório em São Vicente, dando assistência para as famílias abaladas na tragédia.

Praia Grande

A Liga dos Blocos e Escolas de Samba de Praia Grande (Libesa) manifesta seu pesar pela morte dos foliões no acidente com o carro alegórico da Escola de Samba Sangue Jovem, mas informa que o desfile do Grupo Especial do Carnaval da Família de Praia Grande foi mantido, em respeito ao trabalho das escolas de samba participantes.