X

Cotidiano

Candidatos gastam com adesivos, mas item é raro nos carros neste ano

A prática de colar propaganda de candidatos no carro é permitida pelo TSE desde que a área do autocolante não exceda meio metro quadrado

Folhapress

Publicado em 26/09/2018 às 14:09

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

O material ainda deve conter impresso o número de inscrição no CNPJ ou o número de inscrição no CPF dos responsáveis pela confecção e contratação, além da tiragem. / Rodrigo Montaldi/DL

"Foi Deus que me deu", "Eu freio para animais" e "Consulte sempre um corretor" ganham de Jair Bolsonaro, Fernando Haddad ou Ciro Gomes na preferência automobilística das ruas. Mais à frente estão ainda a bandeira vermelha com faixa branca dos mergulhadores e o desenho do rosário católico.

A reportagem passou quatro dias procurando carros adesivados com imagens, nomes e números de candidatos à Presidência por diversos bairros de São Paulo, do Itaim Bibi e Barra Funda, na zona oeste, ao Paraíso, na zona sul, e Vila Manchester, na zona leste.

De carros parados em ruas, estacionamentos, garagens de shoppings e casas, o que se depreende é que fazer campanha para um candidato com o automóvel privado já não é mais prioridade em tempos de redes sociais.

Os candidatos, contudo, continuam gastando suas verbas no santinho autoadesivo. Ciro Gomes (PDT) gastou cerca de R$ 1,3 milhão com publicidade por adesivos. Jair Bolsonaro (PSL) gastou, segundo dados do TSE, R$ 34 mil.

Marina Silva (Rede), por sua vez, dispensou mais de R$ 353 mil e Geraldo Alckmin (PSDB), cerca de R$ 812 mil. O ex-governador de São Paulo tirou de seu dinheiro fundos para fazer adesivos de outros candidatos tucanos, como João Doria, que tenta o governo paulista, e Antonio Anastasia, que busca ser eleito governador em Minas Gerais.

Não há dados disponíveis das despesas de Fernando Haddad, mas a campanha do PT, antes em nome de Lula, gastou cerca de R$ 658 mil com adesivos.

O corretor de imóveis Elson Pereira do Nascimento, 51, não se deixou levar pela nova moda de não enfeitar o carro e colocou logo três de Bolsonaro em seu Hyundai HB20.

Ele, que mora em Rondonópolis (MT), diz que é a primeira vez que cola em seu veículo propaganda de candidatos à Presidência. "Já adesivei de candidato local, aqui de Mato Grosso, mas são umas panelinhas... Estou cansado."

Nascimento diz acreditar que assim pode mostrar para as pessoas o seu candidato e abrir a mente delas. "Muita gente já veio me perguntar por que vou votar em Bolsonaro."

Já Caio Maia, que em 2014 colou adesivos de Luciana Genro (PSOL) em seu carro, neste ano optou por demonstrar apoio em seu veículo apenas a candidatos ao Legislativo.

Em sua picape Mitsubishi, o advogado e servidor público de 30 anos faz campanha para candidatos a deputado federal, deputado estadual e senador. Ele conta que não usa adesivos de candidatos a presidente por ainda estar indeciso quanto ao voto.

"Neste ano vou votar pragmaticamente para presidente desde o primeiro turno, a depender de quem pode vencer Bolsonaro", diz. 

Maia, que mora e trabalha na região central de São Paulo, diz que não vivenciou nenhuma reação aos adesivos, mas que, em 2014, recebeu um bilhete de um morador de seu condomínio em apoio à sua opção exposta no carro.

A prática de colar propaganda de candidatos no carro é permitida pelo TSE desde que a área do autocolante não exceda meio metro quadrado. São permitidos, ainda, adesivos microperfurados em todo o para-brisa traseiro.

Tudo isso de forma espontânea, ou seja, o eleitor não pode ser pago para fazê-lo. O material ainda deve conter impresso o número de inscrição no CNPJ ou o número de inscrição no CPF dos responsáveis pela confecção e contratação, além da tiragem.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Artigo

Comissão do Senado aprova lei para proteger crianças em ambientes digitais

Monitorar as atividades de crianças e adolescentes é fundamental para a segurança delas

Nacional

Morre aos 80 anos, ícone do automobilismo brasileiro, Wilsinho Fittipaldi

Wilsinho teve uma parada cardíaca no dia 25 de dezembro e estava internado em São Paulo desde então

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter