Canal da Linha Vermelha está precário e insalubre

Mau cheiro, falta de muretas e pontes de pedestres que oferecem risco são alguns dos problemas constatados no canal de uma das principais vias da Cidade

Comentar
Compartilhar
10 JUL 201410h44

Lodo, mau cheiro, passarelas oferecendo risco aos pedestres, muito mato e, em alguns trechos, não existem mais muretas de proteção. Assim está o canal da Linha Vermelha. Insalubre e precário. A Linha Vermelha corta quatro bairros populosos situados em área nobre de São Vicente e está abandonada. A Reportagem percorreu toda a extensão da via, passando pelos bairros Vila São Jorge, Vila Voturuá, Jardim Independência e Vila Valença. Em todos os pontos, o estado é crítico.

Considerando o aspecto do canal, muretas, passarelas e calçadas não devem receber serviços de manutenção há muito tempo. Quanto mais perto do Centro, maior foi a infraestrutura construída no canal, como na Vila Valença, Jardim Independência e Vila Voturuá, por exemplo, mas mesmo nas imediações desses bairros, com exceção da Vila Valença, observamos o retrato do esquecimento. Pontes de alvenaria para pedestres quebradas, muretas quebradas ou nenhuma, calçadas estouradas por causa das raízes das árvores, mato e lodo dentro do canal. Só mesmo as garças, por seu instinto de sobrevivência, para tentar encontrar peixes na água insalubre. Já na Vila Valença, próximo à Avenida Marechal Deodoro, na Linha Amarela, trabalhadores da Prefeitura faziam a limpeza do canal.

Nas imediações da Vila São Jorge, o quadro é ainda pior. Na divisa com Santos, o contraste é absoluto. O bairro pertence às duas cidades. No lado de Santos, o canal e as calçadas são bem conservados e limpos. Separado por um pontilhão, o canal do lado de São Vicente é precário, cheio de mato, lodo e não tem calçada no entorno no canal. Sobre a “calçada”, estavam despejadas garrafas pet e até tigelas de despachos de macumba, secas e sem nenhuma oferenda, sinal de que estão ali há muito tempo. A ponte de ferro para pedestres está enferrujada e balança.

Uma família que passava pelo local, acompanhada de crianças, evitou a ponte e  preferiu dar uma volta grande para chegar em casa.

Trecho do canal cheio de mato, com mau cheiro e sem muretas de proteção (Foto: Luiz Torres/DL)

“A gente não tem coragem de passar por essa ponte. É perigoso”, disse a do lar Eliana Santana, moradora da Rua Farmacêutico José Ignácio da Glória, na Vila São Jorge, há três anos.Eliana reside no bairro há 16 anos e apontou um problema antigo que aflige os moradores. “Quando chove enche tudo. É horrível. As ruas todas alagam. Além disso, tem muito mosquito aqui no bairro por causa do canal. O mau cheiro também é forte. E o IPTU daqui é caro. Eu pago R$ 230,00 por mês de IPTU, nessa área que é considerada nobre”, relatou Eliana que é mãe de três filhos.

No portão da Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Lions Clube, localizada na Rua Costa Rêgo, 533, na Vila São Jorge, quase esquina com a Linha Vermelha, está afixado um cartaz da campanha de prevenção da dengue contendo o seguinte texto:“Bairro Limpo: livre da dengue”. Ironicamente, parece que a Prefeitura é que não faz a sua lição de casa, pois o canal pode ser um foco a céu aberto de proliferação do mosquito da dengue. 

Já na Vila Voturuá, outra moradora se queixa. “É muito ruim. Jogam sofá, colchão e até bicho morto dentro do canal”, afirmou a doméstica Dionéia Ferreira Mariano, que reside na Rua Catalão. Ela mora no bairro há 30 anos.

A Prefeitura responde

Procurada, a Prefeitura de São Vicente informou apenas que “por meio da Gerência de Limpeza Urbana da Codesavi (Companhia de Desenvolvimento de São Vicente) irá realizar os serviços de raspação do mato e retirada dos detritos e entulhos do local nos próximos dias”.

Reforma

A Reportagem também perguntou à assessoria de imprensa da Administração Municipal, se existe um projeto de reforma do canal da Linha Vermelha, mas segundo foi informado, o secretário responsável não foi localizado até o fechamento desta matéria, na última terça-feira.