Canais de Itanhaém buscam evitar alagamentos causados pelas chuvas

Primeiro canal será implantado na avenida São Paulo, no Cibratel, no segundo semestre, garante o prefeito Marco Aurélio

Comentar
Compartilhar
13 JUN 2019Por Nayara Martins08h00
Avenida São Paulo será a primeira a receber o canal extravasor, no bairro Cibratel I; obras devem começar já no segundo semestreFoto: Nayara Martins/DL

Uma solução para os alagamentos causados pelas fortes chuvas que atingem o município de Itanhaém. Essa é a proposta do programa "Canais de Itanhaém", com previsão para ser implantado no segundo semestre deste ano. A garantia é do prefeito do município Marco Aurélio Gomes (PSDB). Serão construídos cinco canais extravasores subterrâneos, sendo o primeiro canal na avenida São Paulo, no bairro Cibratel I.

No início de 2013, Marco Aurélio solicitou um estudo para realizar um projeto de recuperação ambiental do Rio do Poço, elaborado pela empresa Geomon, com recursos do Fundo Estadual de Recursos Hídricos (Fehidro), do Governo do Estado. A intenção era avaliar os problemas de drenagem das águas pluviais ocasionados devido às chuvas, na região do Rio do Poço.

"Esse estudo de macrodrenagem apontou a necessidade de instalação de cinco canais extravasores subterrâneos. São canais que, ao exceder o volume de água, eles direcionam essas águas para o mar", explicou o prefeito.

O primeiro local a receber o canal será a avenida São Paulo, por captar as águas das chuvas acumuladas vindas dos bairros Belas Artes, Jardim Corumbá, Cibratel I e II e que acabam provocando as cheias no Rio do Poço.

Segundo Marco Aurélio, o investimento para a obra é de cerca de R$ 10 milhões. A verba será obtida por meio de um financiamento pelo Finisa, junto à Caixa Econômica Federal. A obra será custeada com recursos próprios do município.

"Este será o primeiro passo para cumprir o Plano de Marcodrenagem e resolver em definitivo o problema com as fortes enchentes causadas pelas chuvas na região", esclareceu. Segundo ele, os alagamentos acontecem porque o município está no mesmo nível do mar e pioram com a maré alta e a chuva forte.

A Administração já está dando início ao processo pré-licitatório para contratar a empresa responsável pela obra. "Vamos aproveitar para fazer uma remodelagem na avenida São Paulo com ciclovia e paisagismo". Em paralelo ao primeiro canal, será reconstruída uma nova ponte sobre o Rio do Poço, na avenida dos Fundadores, no Belas Artes, para dar mais vazão às águas.  

Marco Aurélio afirmou ainda que está em negociação com a Sabesp e o DAEE, no mesmo contrato, para a implantação do canal 2, na avenida Tamoios, no Balneário Tupy.

No projeto técnico, estão previstos a construção de cinco canais extravasores, nas avenidas São Paulo (Cibratel I), Tamoios (Balneário Tupy), Europa (Santa Júlia), Julinha (Jardim Regina) e Brasil (Cibratel II), todas no sentido do bairro Gaivota.

O secretário municipal de Planejamento e Meio Ambiente, Ruy Santos, explicou que a extensão total deste primeiro canal, na avenida São Paulo, será de cerca de um quilômetro. Segundo ele, o projeto executivo e o licenciamento ambiental estão em processo de revisão para iniciar a licitação da obra.

O diretor de Pavimentação da secretaria de Obras, José Luiz de Almeida Spinelli, explicou que o primeiro canal subterrâneo, na avenida São Paulo, contará com seis aduelas de concreto, com 11 metros de largura cada. Por meio dessas aduelas subterrâneas que sairão do Rio do Poço com a avenida e levarão as águas pluviais para desaguar no mar.

Haverá ainda seis comportas com saídas para o mar, ou seja, elas permitirão que o fluxo das águas pluviais seja em um único sentido. Ao fechar, a comporta não permitirá que a água do mar entre, mesmo em períodos de ressaca.

Rede de esgoto

Outra obra importante citada pelo prefeito é a extensão da rede coletora de esgoto. "Estamos na iminência para assinar um contrato com a Sabesp que prevê a execução da rede de saneamento básico nessa região, a partir do Cibratel no sentido Gaivota".

Marco Aurélio assinou ainda um convênio com o Governo do Estado, na última semana, para a liberação de recursos no valor de R$ 1,5 milhão. A verba será usada na continuação das obras de drenagem das águas pluviais na avenida Cabuçu, no bairro Nossa Senhora do Sion.

Alagamentos

Moradores e comerciantes na avenida São Paulo, no bairro Cibratel I, estão aborrecidos e cansados de reclamar sobre os constantes alagamentos provocados pelas chuvas, há vários anos.

Um exemplo é a dona de casa Angelina Alves, que reside na avenida São Paulo. "Sofremos com os alagamentos há 11 anos. Este ano já perdi móveis e as águas levaram cinco dias para escoar". Em 2006, ela disse que a Prefeitura prometeu instalar uma tubulação de águas pluviais, mas não aconteceu. "Minha mãe, de 87 anos, quer vender a casa e voltar para São Paulo", salientou.

"Outro morador é o comerciante Joel Oliveira, na avenida São Paulo esquina com a rua Catanduva. "Há 12 anos sofremos com os alagamentos nesta avenida. Este foi o pior ano, a água subiu 50 centímetros na minha lanchonete". Segundo ele, a Sabesp deve instalar a ligação de saneamento básico antes, pois a avenida ainda não conta com a rede de esgoto.

Colunas

Contraponto