Camponesas pedem fim da violência contra a mulher

Nos últimos três dias, elas participaram do 1º Encontro Nacional do Movimento de Mulheres Camponesas do Brasil

Comentar
Compartilhar
21 FEV 201310h41

As mulheres que participaram, nos últimos três dias, do 1º Encontro Nacional do Movimento de Mulheres Camponesas do Brasil se preparam para a caminhada que farão na manhã desta quinta-feira (21) para marcar o encerramento do evento. Elas se concentraram no início da manhã em frente ao Pavilhão de Exposições do Parque da Cidade e a expectativa é que cheguem, em vários ônibus, à Catedral de Brasília pouco depois das 10h. De lá, marcharão até a Praça dos Três Poderes, onde farão a leitura coletiva da declaração final do encontro.

De acordo com a militante do movimento, Elisiane Jahn, integrante da equipe de comunicação, no documento final, elas assumem o compromisso com a construção de relações de igualdade entre os seres humanos e a natureza, com a produção agroecológica de alimentos diversificados, além do fortalecimento das organizações populares, feministas e de trabalhadoras.

“Para alcançar esses objetivos, precisamos ajudar a promover uma mudança na sociedade. Com o fim do evento, voltaremos para as nossas comunidades e o nosso desejo é que cada uma de nós esteja motivada e fortalecida para despertar e construir essas transformações”, disse.

Cerca de três mil mulheres camponesas, de vinte e dois estados do Brasil, participam do 1º Encontro Nacional do Movimento de Mulheres Camponesas do Brasil (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ ABr)

Em sua avaliação, o encontro foi “extremamente positivo” porque reuniu mulheres de várias partes do país que puderam discutir diversos aspectos do tema central: Na Sociedade Que a Gente Quer, Basta de Violência contra a Mulher. Na pauta de debates, estava o registro civil para todas as camponesas, o fim da violência contra a categoria, a produção de alimentos saudáveis entre outros assuntos.

Elisiane Jahn destacou, ainda, a representação política do encontro, ao lembrar a participação da presidenta Dilma Rousseff, no segundo dia do evento. Acompanhada de quatro das oito ministras mulheres de seu governo, Dilma disse que um de seus primeiros compromissos ao assumir a Presidência foi “honrar as mulheres” e enfatizou que o Estado brasileiro reconhece a importância da mulher para resolver o problema da desigualdade no país.

De acordo com a organização do evento, cerca de 3 mil mulheres camponesas de 23 estados, além de representantes de entidades de mulheres de vários países participaram do encontro.