Câmara Municipal de Guarujá quer Refis mais justo

A medida reduzirá em 10% o valor total do montante a ser renegociado

Comentar
Compartilhar
16 DEZ 201310h29

O Programa de Recuperação Fiscal (Refis) instituído em julho pela Prefeitura de Guarujá pode ficar mais justo e vantajoso para os munícipes inscritos na Dívida Ativa do Município. Projeto de Lei Complementar (PLC), aprovado na última terça-feira (10/12), pela Câmara Municipal, isenta de pagamento de honorários advocatícios quem se dispor a saldar sua dívida. A medida reduzirá em 10% o valor total do montante a ser renegociado.

Mais do que tornar atraente o programa de refinanciamento de débitos vigente, a iniciativa busca corrigir uma distorção embutida nos cálculos - conforme explica o vereador Edilson Dias (PT), autor do projeto.

“É vasta a jurisprudência (interpretação de leis tomadas em julgamentos, que servem de fundamento para causas semelhantes) que defende a isenção de cobrança de honorários sucumbenciais (ou seja, condenatórios) quando o Poder Público desiste da ação contra o devedor e opta pelo Refis”.

Trâmite

O projeto em questão (PLC 034/2013) foi discutido e aprovado em dois turnos, pelo Plenário da Casa. Ele altera a Lei Complementar 146, de 5 de julho de 2013, de autoria do Executivo. A matéria segue agora para análise da Prefeita Maria Antonieta de Brito (PMDB). Caso sancionada, ela pode entrar em vigor logo no começo de 2014.

“É vasta a jurisprudência que defende a isenção de cobrança de honorários”, diz vereador (Foto: Reprodução/Site Câmara de Guarujá)

Números

Atualmente, a dívida ativa de Guarujá chega a cerca de R$ 2,5 milhões, o que equivale a dois orçamentos e meio do Município - sendo 45% desse valor equivalente a juros e multas. A maioria das dívidas (90%) é de R$ 10 mil a R$ 20 mil.