Câmara de Itanhaém se posiciona contra o pedágio

Os vereadores também manifestaram revolta quanto à forma como os procedimentos para a concessão de trecho da Rodovia Padre Manoel da Nóbrega têm sido conduzidos

Comentar
Compartilhar
20 JUL 2021Por Da Reportagem08h00
A proposta da Artesp é instalar uma praça de pedágio no km 326,3 da rodovia Padre Manoel da Nóbrega, em ItanhaémA proposta da Artesp é instalar uma praça de pedágio no km 326,3 da rodovia Padre Manoel da Nóbrega, em ItanhaémFoto: Nair Bueno/DL

A Câmara Municipal da Estância Balneária de Itanhaém publicou, nesta segunda-feira (19), uma nota pública contra a instalação de pedágio na Cidade. A praça de pedágio está prevista no plano de concessão do Lote Rodovias do Litoral Paulista, da Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp), do Governo do Estado. No último sábado (17), o Diário do Litoral publicou reportagem sobre um manifesto contra ao pedágio, lançado pela Associação Comercial de Itanhaém.

Os vereadores também manifestaram revolta quanto à forma como os procedimentos para a concessão de trecho da Rodovia Padre Manoel da Nóbrega têm sido conduzidos. Segundo a nota, não há informações documentais sobre "os supostos benefícios ou contrapartidas que as populações envolvidas teriam com a futura tarifa para circulação rodoviária".

Os edis alegam não ter recebido quaisquer estudos por parte da Artesp e afirmam que o pedágio impactará negativamente a economia regional, prejudicará o trânsito dentro da cidade de Itanhaém, dificultará a integração e a mobilidade entre as cidades da região metropolitana e repercutirá negativamente no orçamento das famílias que dependem de transporte diário.

"Os vereadores de Itanhaém, cientes de sua responsabilidade e no compromisso de defender os interesses da população, em caráter de urgência, na última sexta-feira, 16, se reuniram para discutir e deliberar providências quanto ao grave problema que se avizinha, decidindo, à unanimidade, oferecer representação ao Ministério Público em face de inconsistências procedimentais relativas à concessão da Rodovia Padre Manoel da Nóbrega e, ao mesmo tempo, solicitar audiência junto à presidência do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo para que seja garantida transparência ao aludido negócio público e promovida uma avaliação orçamentário-administrativa no processo dessa eventual concessão, a fim de que o interesse público seja garantido", finaliza a nota.