X

Cotidiano

Câmara de Guarujá deve economizar R$ 6 milhões

Os recursos poupados, segundo o presidente Edilson Dias (PT), devem representar cerca de 30% da verba de custeio e investimento do legislativo - calculada em R$ 18 milhões

Da Reportagem

Publicado em 28/09/2018 às 08:20

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

A Câmara de Guarujá estima economizar um total de R$ 6 milhões de seu orçamento, até o final deste ano de 2018. Os recursos poupados, segundo o presidente Edilson Dias (PT), devem representar cerca de 30% da verba de custeio e investimento do legislativo - calculada em R$ 18 milhões. O restante da receita - que representa cerca de R$ 24 milhões/ano - é voltada exclusivamente à folha de pagamento dos servidores da Casa de Leis.

Ao todo, são repassados anualmente cerca de R$ 42 milhões ao parlamento municipal. Em 2017, com orçamento bastante semelhante, a atual gestão conseguiu poupar R$ 4 milhões, que posteriormente foram direcionados à Saúde e à Assistência Social.

Quanto aos recursos que serão economizados este ano, a expectativa é que também possam ser aplicados em obras. “Se somarmos os dois anos da nossa gestão, serão R$ 10 milhões economizados, que servirão para custear ações em favor da população”, resume Edilson Dias.

Todo esse montante, ainda segundo ele, resulta de medidas de contenção de despesas, adotadas ainda em 2017.

“Renegociamos contratos; acabamos com as verbas de representação; limitamos o uso dos carros oficiais; cortamos gratificações; iniciamos um controle rigoroso de horas extras, assim como de uso de materiais e demais recursos colocados à disposição dos gabinetes, entre outras ações que tornaram nossa máquina administrativa mais eficiente”, destaca o presidente do legislativo.

Alguns exemplos de custos reduzidos:

Água mineiral: de R$ 60 mil gastos até 2016, valor foi reduzido para R$ 10,5 mil (-82%) a partir de 2017;

Telefonia fixa: de R$ 463,3 mil gastos até 2016, valor foi reduzido para R$ 124 mil (-73,3%) a partir de 2017;

Correios: de R$ 173 mil gastos até 2016, valor foi reduzido para R$ 70,3 mil (-59%) a partir de 2017;

Locação e manutenção de computadores: de R$ 677,9 mil gastos até 2016, valor foi reduzido para R$ 475,2 mil (-29,9%) a partir de 2017;

Locação e manutenção de impressoras: de R$ 2,449 milhões, valor foi reduzido para R$ 1,440 milhão (-41,2%);

Digitalização, arquivo e software de documentos: de R$ 758,4 mil, valor foi reduzido para 568,8 mil (-25%);

Telefonia móvel: de R$ 169,7 mil gastos até 2016, valor foi reduzido para R$ 120 mil (-30%) a partir de 2017.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Negou

Ex-prefeito Bili garante que não houve dolo e que vai recorrer de decisão

O juiz Leonardo de Mello Gonçalves, da Vara da Fazenda Pública do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP), condenou o ex-prefeito Luis Cláudio Bili Lins da Silva por improbidade administrativa e dano ao erário

Itanhaém

Vamos ajudar? Banco de leite materno de Itanhaém precisa de doações

O alimento pode ser compartilhado para ajudar a salvar a vida de diversos bebês na UTI Neonatal

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter