Câmara de Guarujá debate Carnaval 2019

As galerias da Câmara de Guarujá devem lotar hoje, a partir das 15 horas, por representantes de agremiações carnavalescas da Cidade

Comentar
Compartilhar
04 SET 2018Por Da Reportagem11h14
Câmara de Guarujá debate Carnaval 2019Câmara de Guarujá debate Carnaval 2019Foto: Divulgação/PMS

As galerias da Câmara de Guarujá devem lotar hoje, a partir das 15 horas, por representantes de agremiações carnavalescas da Cidade. É que os parlamentares deverão discutir e aprovar o requerimento da vereadora Andressa Salles (PSB) que solicita do Executivo informações sobre a realização do Carnaval 2019 no Município. 

No documento, Andressa quer saber da Secretaria de Cultura se existe alguma programação com relação aos desfiles, que agregam milhares de participantes. Além das escolas, a parlamentar também quer informação sobre os desfiles de bandas e se, para ambos, se a Prefeitura já está em tratativas com empresas privadas para patrocínio dos eventos culturais. 

A vereadora também que saber do executivo se existe algum projeto de incentivo fiscal junto ao Estado e ao Governo Federal para amparar os desfiles e a Secretaria de Cultura já está se reunindo com as agremiações.

Crise

Andressa Salles justifica sua preocupação antecipada com o Carnaval em razão da recente crise que afeta o País. “Infelizmente, os desfiles foram deixados de lado para a tristeza da comunidade. Mas, no meu entender, eles podem ser realizados sim e com nenhum centavo dos cofres públicos desde que os gestores tenham capacidade de atrair investimentos”, afirma. 

Segurança

O Legislativo de Guarujá também se debruça sobre o projeto de lei do vereador Fernando Martins dos Santos, o Peitola (PSDB), que dispõem sobre a obrigatoriedade de serviços de segurança especializada em eventos realizados em locais abertos e fechados com aglomeração acima de 200 pessoas, cujo número deve ter no mínimo dois seguranças. Acima de três mil pessoas, os seguranças terão que ter curso de atuação em grandes eventos. A multa prevista por descumprimento seria de R$ 5 mil.   

Para Peitola, é importante que o Município obrigue que empresas e pessoas contratem empresas de segurança habilitadas e licenciadas pelo Ministério da Justiça e pela Polícia Federal. “Esse projeto visa evitar o que ocorreu contra o universitário Lucas Martins de Paula, no Bar Baccará, em Santos, na madrugada de 7 de julho último”, afirma Peitola.