Governo SP

Câmara de Cubatão: Aposentado se revolta e expõe supersalário

Ele foi reclamar do atraso do 13º salário e acabou revelando uma realidade pouco conhecida na Cidade.

Comentar
Compartilhar
03 DEZ 201209h29

A primeira impressão de quem se depara com o aposentado da Câmara de Cubatão Antônio da Silva (nome fictício) é que ele é um homem de poucos recursos. De fala simples, barba por fazer e trajes modestos, o ex-servidor público é apenas um dos vários abonados superaposentados da Cidade, detentor de um holerite invejável: R$ 14.255,00 mensais brutos. 

A situação não só chama a atenção pelo valor do salário – por sinal, o mesmo da atual prefeita do Município, Marcia Rosa (PT) - mas também pelo cargo que ocupava quando estava na ativa: especialista supervisor operacional – palavras que não definem as atribuições do cargo, não é mesmo? 
 
Na Câmara de Cubatão, especialista supervisor operacional nada mais é do que o cargo de uma espécie de técnico de impressão, paginação e som que, no caso de Antônio da Silva, sequer precisou de curso superior para exercê-lo. Em resumo, o servidor que tira xerox e opera o som em dias de sessão ganha em Cubatão mais do que muito executivo do Parque Industrial daquele município, que abriga, entre outras empresas, a Refinaria Presidente Bernardes, da Petrobras.  
 
Mas se você se surpreendeu com as primeiras informações, se prepare para mais uma não menos surpreendente. O aposentado, mês passado, estava sem dormir e bastante indignado. 
 
“Estamos no dia 22 de novembro e ainda não recebi o 13º salário. Tenho contas para pagar, inclusive o aluguel. Além disso, cortaram meu cartão servidor, que me dá direito a R$ 500,00, porque ele estaria incluído nos meus vencimentos, que atingiram o teto constitucional”, explica, revoltado.
 
Vale a pena destacar que o Cartão Servidor é uma iniciativa da atual gestão municipal. Os funcionários municipais recebem um cartão, semelhante ao de crédito, podendo gastar R$ 500,00 somente no comércio de Cubatão. O valor é depositado mensalmente na conta do servidor. Já teto constitucional nada mais é do que o limite máximo salarial que pode ser pago ao servidor público. No caso de Cubatão, o limite é o salário da prefeita.
 
“O funcionário vem sendo desvalorizado tanto pela Prefeitura, como pela Câmara, nos últimos anos. Tem outros aposentados, como eu, que estão passando necessidades, porque fizeram contas e o 13º ainda não caiu e nem tem previsão. Está todo mundo na pindura”, continua Antônio da Silva.
 
O superaposentado não se contém: “Eu já perdi dinheiro com a minha aposentadoria e agora perdi dinheiro com a suspensão do cartão. Se não pagar o 13º, vou denunciar essa situação ao Ministério Público. Trabalhei 41 anos na Câmara e é a primeira vez que isso acontece aqui em Cubatão”, finaliza.
 
O aposentado recebe R$ 14.255,00 mensais brutos para tirar xerox e operar o som na Câmara de Cubatão (Foto: Matheus Tagé/DL)

Colunas

Contraponto