X

Cotidiano

Câmara aprova e Guarda Municipal de Santos usará armas de fogo

Frente à atual legislação, os guardas civis municipais só podem portar pistolas de eletro-choque

LG Rodrigues

Publicado em 03/10/2019 às 19:30

Atualizado em 04/10/2019 às 10:15

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Guarda Municipal de Santos usará armas de fogo após sanção do prefeito / Nair Bueno/DL

A Câmara dos Vereadores de Santos aprovou na noite desta quinta-feira (3) o projeto de lei complementar que permite que a Guarda Civil Municipal utilize armas de fogo. Com isso, o processo retorna às mãos do prefeito Paulo Alexandre Barbosa, que precisa sancioná-lo antes que os profissionais passem a andar armados. O processo pode durar até três meses.

Frente à atual legislação, os guardas civis municipais só podem portar pistolas de eletro-choque. No ano passado, a Secretaria Municipal de Segurança divulgou que, inicialmente, cerca de 50 GCMs trabalharão com arma de fogo e, na etapa seguinte, mais 50 serão armados.

Com isso, Santos se une a Praia Grande, Bertioga, Guarujá e Itanhaém, cujas Guardas já possuem porte de arma.

Polêmica

O processo de aquisição de armas de fogo causou polêmica no começo de setembro após a prefeitura de Santos ter adquirido 70 pistolas Taurus, calibre 380, sem que o projeto de lei que autoriza o uso de arma de fogo pela Guarda Civil Municipal (GCM) tivesse sido aprovado.

Segundo informado pela administração municipal, cada pistola custou R$ 4.558,41 e o total gasto foi R$ 319.088,70. Sobre a compra sem aprovação prévia da Câmara, revelou que há Lei Federal que permite o armamento da Guarda, que a licitação já está terminada e o pagamento só será efetuado quando as armas estiverem à disposição da Prefeitura.

Procedimento

Com isso, os integrantes da Guarda Civil Municipal de Santos poderão passar a contar com o uso de armas de fogo durante o exercício de suas atividades de patrulhamento e outras tarefas que remetam à segurança pública.

Assim que a lei for sancionada pelo Executivo, para que os GCMs exerçam suas finalidades, o departamento da Guarda proporcionará a realização periódica de cursos técnicos e profissionais, a avaliação psicológica de acordo com o regimento da lei, coletes antibalísticos, armas de fogo e munições para as mesmas.

Para que o Guarda Civil Municipal possa portar uma arma de fogo, ele deverá obter o porte expedido pela Polícia Federal e o profissional também deverá cumprir as exigências estabelecidas pelas leis que disciplinam o registro e a posse de arma de fogo e também munições. Todas as utilizações de arma durante o expediente do profissional deverão ser relatadas aos superiores e o Guarda Municipal a quem foi concedido o porte deverá usar apenas o armamento fornecido pela própria corporação.

O projeto foi apresentado oficialmente em sessão ordinária no dia 27 de junho deste ano e desde então passou por diversas secretarias, diretorias, seções e comissões antes da redação final ter sido finalizada e adequada para ir a votação nesta quinta-feira.

 

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

SÃO PAULO FC

São Paulo cede empate ao América-MG, mas avança à semifinal da Copa do Brasil

Classificado, o time de Rogério Ceni vai encarar na semifinal o Flamengo, que venceu o confronto contra o Athletico-PR para chegar à semifinal.

RIO DE JANEIRO

Gabriel Monteiro tem mandato de vereador cassado no Rio

Gabriel Monteiro teve o mandato de vereador do Rio de Janeiro cassado nesta quinta-feira por 48 votos a dois

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software