Postos registram alta na busca por vacina da febre amarela

Procura por imunização contra a doença aumentou; São Vicente monitora um caso suspeito

Comentar
Compartilhar
24 JAN 2017Por Diário do Litoral09h30
Segundo a Secretaria Estadual da Saúde, no último semestre de 2016, o Estado de São Paulo recebeu 1,7 milhão de doses da vacina e outras 400 mil doses neste anoFoto: Divulgação

O surto de febre amarela no Estado de Minas Gerais aumentou a procura nos postos de vacinação dos municípios da Baixada Santista. Em São Vicente, a Secretaria de Saúde monitora o caso de uma mulher que contraiu a doença no Amazonas e, após receber alta, ao retornar para a cidade teve uma piora no quadro. A paciente está internada em um hospital de Santos. Três mortes pela versão silvestre da febre foram confirmadas ontem (23) em São Paulo.

De acordo com a Secretaria de Saúde de São Vicente o caso da mulher está sendo monitorado. O órgão aguarda exames confirmatórios que devem ser liberados nesta semana. Nas últimas semanas, os postos de vacinação da cidade – um na Área Insular (Central) e outro na Área Continental (Humaitá) - registraram aumento do número de doses solicitadas.

Em Guarujá não há casos da doença, mas a demanda por vacinação dobrou este mês, atingindo 250 doses. A vacina é aplicada em dois postos – Jardim Boa Esperança e Santa Rosa – em pessoas acima de nove meses de idade que vão viajar para áreas de transmissão.

A procura por vacina também aumentou em Praia Grande, que não registrou casos de febre amarela nos últimos dois anos. Em dezembro foram aplicadas 26 doses e em janeiro, que ainda não chegou ao fim, 120. A imunização ocorre na Multiclínica do Boqueirão, às terças-feiras pela manhã e as quintas-feiras à tarde.  

Itanhaém também registrou alta na procura por vacinas. Não há casos suspeitos na cidade. A imunização contra a doença está disponível na Unidade de Saúde da Família (USF) do Centro e é destinada às pessoas que têm viagem marcada para municípios afetados pela febre amarela.

Em Cubatão a procura por imunização contra a febre amarela também aumentou. Segundo a Secretaria de Saúde há estoque suficiente para atender a demanda.

Os municípios de Santos, Bertioga, Peruíbe e Mongaguá não informaram alta na procura por vacinação. Nas quatro cidades não há casos suspeitos da doença e os postos de imunização seguem em atendimento normal conforme recomendações do Ministério da Saúde.

Estado

A Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo confirmou três mortes por febre amarela silvestre, duas delas de vítimas que contraíram o vírus em território paulista (casos autóctones) e uma de um paciente que havia viajado para Minas Gerais, onde ocorre surto da doença.

As duas mortes ocorreram nos municípios de Américo Brasiliense e Batatais. O outro óbito confirmado foi notificado em Santana de Parnaíba, na região metropolitana de São Paulo. A secretaria investiga outros 10 casos suspeitos da doença, dos quais três resultaram na morte das vítimas. Todos viajaram para Minas.

A pasta informou que, no último semestre de 2016, recebeu 1,7 milhão de doses da vacina do Ministério da Saúde e outras 400 mil doses neste ano.

O surto da doença que acomete algumas regiões é do tipo silvestre, transmitida por mosquitos Haemagogus e Sabethes, que vivem na beira de rios e nas matas. A febre amarela urbana, transmitida pelo Aedes aegypti, foi erradicada no Brasil em 1942.