Brito anuncia investimento de 1,6 bi da MSC no porto

A armadora confirmou a construção de terminal de passageiros em Santos

Comentar
Compartilhar
11 FEV 201315h45

O ministro-chefe da Secretaria Especial de Portos, Pedro Brito, confirmou ontem que a armadora Mediterranean Shipping Company (MSC) investirá 1,6 bilhão no porto de Santos, começando pela construção de um terminal de passageiros.

Brito esteve em Santos, ontem, onde se reuniu com a diretoria da Codesp e representantes da MSC. À noite, Brito concedeu entrevista coletiva à imprensa, na festa de encerramento das comemorações dos 200 anos da abertura dos portos brasileiros, no Terminal de Passageiros do Concais.

Segundo Brito, o novo terminal de passageiros deverá iniciar as operações no primeiro semestre de 2011. A licença ambiental para o empreendimento deverá ser liberada já no primeiro trimestre do ano que vem. 

Além disso, estão incluídos nos projetos da MSC, dois terminais. Um que deverá movimentar cerca de 1,100 milhão de contêineres por ano, e o outro será um terminal de granéis líquidos. “Isso permitindo toda a recuperação daquela área degrada da Alemoa. Permitindo, inclusive, a construção da perimetral que está embargada naquele trecho, justamente dependendo desse acordo de recuperação ambiental”.

O ministro garantiu que todas as questões referentes ao arrendamento das áreas para a construção dos terminais serão analisadas pela Codesp e pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq). “Todo o rito legal será cumprido como tem que ser”.

Itajaí

Brito disse que o aporte de R$ 350 milhões já está disponível para a recuperação dos 740 metros de cais que foram destruídos pelas chuvas, em Santa Catarina. Os recursos serão investidos também na construção de barreiras de contenção para evitar novos desastres.

Devido ao assoreamento do canal do porto de Itajaí, os navios iniciarão as operações na região pelo porto de Navegantes daqui a 15 dias, segundo prevê o ministro. “A operação no Porto de Itajaí vai depender da obra. Essa obra vai levar de um ano a um ano e meio para ser concluída”.

Crise mundial

Brito afirmou que a crise ainda não afetou os portos brasileiros. “Todos os programas de investimento portuário, no Brasil, estão sendo mantidos’, finalizou.