Brasil recebe prêmio internacional por ações de controle do tabagismo

Em nota, o Ministério da Saúde disse que o prêmio representa o reconhecimento do papel desempenhado pelo país no monitoramento epidemiológico do uso do tabaco

Comentar
Compartilhar
18 MAR 201515h15

Ações brasileiras de controle do tabagismo foram reconhecidas internacionalmente pela Fundação Bloomberg, parceira da Organização Mundial da Saúde, que apontou o Brasil como modelo a ser seguido por outras nações com políticas neste setor.

Em nota, o Ministério da Saúde disse que o prêmio representa o reconhecimento do papel desempenhado pelo país no monitoramento epidemiológico do uso do tabaco e na implantação de políticas públicas de luta contra o fumo.

Dados da pasta indicam que o número de fumantes no país continua em queda. Segundo a Pesquisa Nacional de Saúde, o índice de pessoas que fumam e usam produtos derivados do tabaco é 20,5% menor que o registrado cinco anos atrás. Em 2013, do total de adultos entrevistados, 14,7% afirmavam fumar. Em 2008, o índice era 18,5%.

De acordo com o governo, atualmente, mais de 23 mil equipes de saúde da família atuam em 4.375 municípios no tratamento do tabagismo. Nos últimos dois anos, o ministério destinou R$ 41 milhões para ações de combate ao uso de tabaco.

O Brasil recebeu o prêmio internacional por ações de controle do tabagismo (Foto: Agência Brasil)

O Ministério da Saúde destacou também a elaboração de normas que contribuem para a redução do tabagismo como a Lei 12.546, sancionada em 2011, que altera a sistemática de tributação do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e institui uma política de preços mínimos para os cigarros. O preço mínimo do produto passou de R$ 1 para R$ 3 e deve chegar a R$ 4,50 neste ano.

Outra ação citada pelo ministério é a que proíbe o fumo em ambientes fechados desde dezembro de 2014, quando um decreto da presidenta Dilma Rousseff aboliu áreas para fumantes – os conhecidos fumódromos em locais públicos. Em casos de desrespeito, o estabelecimento pode receber advertência e multa, além de ser interditado e ter o alvará de funcionamento cancelado. As multas variam de R$ 5 mil a R$ 1,5 milhão.

“Essas mudanças na legislação brasileira, além da inclusão de imagens nos maços alertando sobre os malefícios para a saúde, impactaram positivamente no [abandono do] hábito de fumar. Mais da metade dos entrevistados da Pesquisa Nacional de Saúde (52,3%) afirmam que pensaram em parar de fumar devido a essas advertências”, informou o ministério.