Bolsonaro nega visita a São Vicente e cita chance de criar barragem no Vale do Ribeira

Informação de que ele estaria na cidade durante assinatura de contrato foi divulgada pela Prefeitura de São Vicente

Comentar
Compartilhar
10 JAN 2020Por LG Rodrigues10h40
Jair Bolsonaro fez transmissão diretamente de Guarujá para falar sobre a Baixada SantistaFoto: Reprodução/Facebook

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou durante sua transmissão por meio do Facebook que não comparecerá à assinatura do contrato entre a Prefeitura de São Vicente e a empresa PHD Engenharia Ltda que beneficiará a Ponte dos Barreiros. Em suas redes sociais, ele ainda aproveitou a oportunidade para elogiar políticos da região e citou a possibilidade de criar uma barragem no Vale do Ribeira.

Inicialmente, Bolsonaro era esperado para comparecer à prefeitura de São Vicente nesta sexta-feira (10), onde será assinado o contrato envolvendo a Administração Municipal de São Vicente e a empresa PHD Engenharia Ltda, a qual deverá elaborar um projeto executivo que definirá os reparos necessários para a obra emergencial na Ponte dos Barreiros. O valor do contrato é de R$ 181 mil.

Em seu discurso, ele citou a deputada Rosana Valle (PSB) e disse que percebeu a movimentação feita pela parlamentar para tentar resolver o mais rapidamente possível a situação da estrutura que liga a área continental à insular de São Vicente.

“Eu vi nas mídias sociais a aflição dela [Rosana Valle] preocupada com o trânsito que gerou problemas a 150 mil pessoas, por dia, e liguei para a Rosana. A coloquei a par do que poderíamos fazer, conversei com o ministro Canuto do MDR (Ministério do Desenvolvimento Regional), liguei para o prefeito de São Vicente, cujo nome me fugiu agora, mas iremos nos encontrar nos próximos dias se Deus quiser, e o contrato vai ser assinado amanhã [hoje]”, disse Jair.

Na sequência, ele negou que estaria presente no momento da assinatura.

“Não vou me fazer presente porque não acho conveniente o presidente da República assinar esse contrato, estar junto, mas está tudo certo, parabéns à Rosane Valle, ao prefeito, que realmente se interessaram em buscar solução para esta ponte aqui em São Vicente. Tem mais ponte no Vale do Ribeira que está no orçamento, Itaoca, Eldorado, Iporanga, Pariquera-Açu. Tem obra no Brasil inteiro, mas to falando dessas porque estou aqui próximo do Vale do Ribeira”.

Em seguida, Jair Bolsonaro também levantou uma questão que ainda não havia sido explorada pelo Governo e disse que teria intenção de construir uma barragem no Vale do Ribeira. Apesar disso, ele não entrou em detalhes sobre como seria feita tal intervenção.

“Gostaria muito que, mas nem vou discutir muito aqui esse assunto, mas acho que o Rio Ribeira merecia uma barragem lá na região de Iporanga talvez mais para cima até para evitar as grandes enchentes de dois em dois, três em três anos que existem na região e varrem acabando com as bananas de Sete Barras, Eldorado, Registro, mas tudo bem. Quem sabe lá na frente, no futuro, possamos resolver esse assunto para minimizar o sofrimento desse pessoal todo”, conclui.

Apesar de não se fazer presente à assinatura do contrato em São Vicente, a expectativa é de que o presidente esteja presente durante a inauguração do Pronto Socorro da Santa Casa de Misericórdia de Santos, que deverá ocorrer no fim da tarde desta sexta-feira.

FOLGA.
O Presidente chegou à Baixada Santista nesta quinta-feira (9) e está hospedado atualmente no Forte dos Andradas, em Guarujá. Ele deverá permanecer na Região pelo menos até terça-feira. Durante a transmissão nesta quinta, ele disse que veio à Baixada para descansar.

"Na volta desse recesso, que para mim eu to completando uma semana de folga, aqui em São Paulo, to pegando três dias úteis de férias, tá excelente pra mim, vou voltar a trabalhar com todo gás".

Esta é a terceira vez que o chefe do Executivo visita a Região em 13 meses de mandato como Presidente da República.

INTERDIÇÃO.
A Ponte dos Barreiros foi interditada para o tráfego no dia 30 de novembro devido ao risco de desabamento apontado pelo laudo emitido pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT). Até o momento, podem passar apenas bicicletas e pedestres.

Para garantir uma alternativa ao translado de passageiros entre a Área Continental e a Área Insular, a Otrantur Transportes e Turismo, empresa responsável pelo transporte público municipal, implantou linhas especiais temporárias. A medida, que visa diminuir os impactos causados com a interdição da ponte e que atende a solicitações feitas por moradores, permite que o passageiro desça na cabeceira da ponte, atravesse a pé e embarque em outro ônibus.

A Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU) também deu início a um plano emergencial para atender os moradores da Área Continental, criando novas linhas com partidas dos bairros Humaitá, Parque Continental e Gleba II, para levar os passageiros até a cabeceira da ponte. Os usuários recebem uma senha para embarcar, no outro lado da ponte, sem pagar outra tarifa.