Bertioga lança Programa de Apadrinhamento Afetivo que aproxima crianças ao convívio familiar

Programa é direcionado a crianças e adolescentes entre 05 e 17 anos de idade, acolhidos na instituição da Cidade e que possuem vínculos familiares fragilizados ou rompidos

Comentar
Compartilhar
03 AGO 2018Por Da Reportagem19h12
O projeto AKITÃ – Apadrinhamento Afetivo foi lançado no início desta semana em BertiogaO projeto AKITÃ – Apadrinhamento Afetivo foi lançado no início desta semana em BertiogaFoto: Diego Bachiéga/PMB

O projeto AKITÃ – Apadrinhamento Afetivo foi lançado no início desta semana em Bertioga. A iniciativa é da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, Trabalho e Renda e do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, direcionada a crianças e adolescentes entre 05 e 17 anos de idade, acolhidos na instituição da Cidade e que possuem vínculos familiares fragilizados ou rompidos e com chances remotas de adoção ou reintegração familiar, seja por questões de saúde ou idade elas fogem dos perfis procurados por adotantes.

De acordo com a Pesquisadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre a Criança e o Adolescente (NECA), Alice Duarte de Bittencourt, qualquer pessoa maior de 18 anos pode apadrinhar, basta ter disponibilidade de tempo e afeto. "As crianças precisam de alguém para acompanhar os estudos, as alegrias, dificuldades e dores".

"É impressionante a mudança dos afiliados. Eles se sentem queridos. O afeto muda tudo, eles aprendem a socializar, melhoram na escola, aprendem a viver em sociedade e o mundo de oportunidades é ampliado para eles", salientou a pesquisadora.

Para fortalecer e garantir este direito aos abrigados, a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, Trabalho e Renda está convidando diversos segmentos para formar uma constituição intersetorial e elaborar o Plano Municipal de Defesa e Direito a Convivência Familiar e Comunitária, além de instituir um Projeto de Lei e articular uma política de atendimento voltada a alternativas de acolhimento institucional para aproximar ao máximo as crianças do conceito de família.

Os interessados no apadrinhamento afetivo, financeiro ou institucional passam por entrevista e oficinas de formação antes de receberem a habilitação da Vara da Infância. Para dar início aos trâmites, o candidato a padrinho deve se dirigir ao Abrigo Institucional, que fica à Rua João Ramalho, 327. O atendimento é às quartas-feiras, das 11h às 16h.