Banheiros unissex ganham espaço nas universidades

De acordo com a diretora de Promoção dos Direitos LGBT do Ministério dos Direitos Humanos (MDH), Marina Reidel, professora e mulher trans, a expansão dos banheiros está ligada a uma resolução de 2015.

Comentar
Compartilhar
21 JUL 2018Por Folhapress21h04
No Japão os banheiros unissex já são uma realidade há muitos anos.No Japão os banheiros unissex já são uma realidade há muitos anos.Foto: Fotos Públicas

No início deste ano, um adesivo foi colado na porta de um banheiro da UFPI (Universidade Federal do Piauí) e, no mesmo dia, o lugar se tornou um campo de batalha. No aviso oficial estava escrito: "Banheiro unissex. Afinal, todo mundo usa o banheiro pelo mesmo motivo, né?".

A mensagem era acompanhada pelos dois tradicionais bonequinhos, um de saia, outro sem. No meio deles, um sujeito novo, com metade da saia.

Por trás do tom bem-humorado do aviso, a medida do CCE (Centro de Ciências da Educação) dizia respeito a um debate sério sobre direitos básicos: o uso do banheiro por pessoas trans. Desde 2015, ao menos oito universidades federais adotaram banheiros unissex ou resoluções que permitem aos alunos usarem esses espaços segundo o gênero com o qual se identificam.

Na UFPI, já no primeiro dia, o adesivo oficial foi rasgado. Alunos que apoiavam a medida colaram cartazes por cima. Os papéis foram destruídos. Estudantes decidiram então pintar "unissex". E assim ficou.

O diretor do CCE, Luis Carlos Sales, responsável pelo novo banheiro, diz que hoje o conflito está encerrado. "Acalmou. Não tem aviso oficial, mas todos sabem o que é."

O professor destinou só um banheiro para uso comum, os outros permanecem iguais. "Alguns alunos trans não se sentiam à vontade nos banheiros convencionais, então atendemos a demanda deles".

Assim como a Federal do Piauí, a Fluminense, a de Juiz de Fora, a do Sul da Bahia, a do ABC, a do Paraná, a do Rio Grande do Norte e do Tocantins adotaram medidas similares. Elas representam mais de 10% das 68 universidades federais do país.

Em 2017, PUC-SP e USP fizeram o mesmo.

Segundo o Ministério da Educação, não há um levantamento oficial sobre o tema.

De acordo com a diretora de Promoção dos Direitos LGBT do Ministério dos Direitos Humanos (MDH), Marina Reidel, professora e mulher trans, a expansão dos banheiros está ligada a uma resolução de 2015.

Ela estabelece que as pessoas têm direito de usar o banheiro de acordo com a identidade de gênero, e dispõe sobre o uso do nome social em instituições de ensino. A decisão não tem força de lei, mas norteia políticas do setor.

A implementação dos banheiros e das políticas varia. Algumas partem de demandas de trans, outras surgem após agressões. Alguns casos são ações da universidade, outros, de unidades específicas.

A Federal do Paraná, por exemplo, abriu um banheiro de uso comum em 2017, após requerimento de alunos trans. A medida não causou reações inflamadas, diz Silvana Carbonera, vice-diretora do setor onde a unidade foi feita.

Na Federal do Rio Grande do Norte, também não houve polêmica, segundo a reitora, Angela Maria Paiva Cruz. Na Federal do Tocantins, em Araguaína (a 400 km de Palmas), a medida foi tomada após reclamações de heterossexuais.

"Chegavam mulheres evangélicas, chorando, que tinha 'homem' no banheiro. Os alunos trans não tinham para onde ir: eram sempre enxotados", diz o diretor do campus, José Ribeiro, que transformou três banheiros em unissex.

Nem sempre, porém, há reações . A Escola Multicampi de Ciências Médicas, da UFRN, em Caicó, interior do estado, transformou todos os banheiros em unissex em 2016, com a entrada de uma aluna trans na residência médica. "Encontrei uma instituição que respeitou a minha dignidade", diz Patrícia Targino Dutra, 30.

Patrícia se tornou professora da instituição. "Impressiona a postura da escola, no meio do sertão nordestino, onde o machismo impera."

Na PUC-SP, que criou um banheiro unissex em 2017, a aluna e membro de um coletivo LGBT Luiza Ferrari, 22, diz que os embates acabaram.

"A reação foi maior nas redes sociais", diz a integrante da associação de professores, Maria Beatriz Abramides.

Entre as que mantiveram espaços segregados, mas garantiram acesso via portarias estão a Federal de Juiz de Fora (UFJF), Sul da Bahia (UFSB), do ABC (UFABC), Fluminense (UFF) e USP.

Na USP e na UFF, isso ficou restrito a poucas unidades.

Em 2016, mulheres agrediram e expulsaram uma aluna trans do banheiro da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), da USP. Então, o conselho estabeleceu que os banheiros podem ser usados segundo a identidade de gênero.

Para a presidente da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos da FFLCH, Elizabeth Harkot de La Taille, a implementação foi tranquila e "teve um efeito educativo".

A UFF, por outro lado, ainda vive a polêmica, quase um ano após liberar os banheiros. A medida foi uma reação à atitude do vereador de Niterói (RJ) Carlos Jordy, do PSL, partido de Jair Bolsonaro.

Jordy afirma que enviou ofícios para a UFF, Ministério Público Federal e polícia sobre o tema e o uso de drogas.

"Pessoas mal intencionadas podem dizer que se identificam com outro gênero para cometer assédio, estupro."

A aluna de ciências sociais Liège Nonvieri, 22, trans, se sentiu contemplada. Ela já usava o banheiro feminino, mas achou que o posicionamento da UFF foi importante.

Para a aluna de pedagogia Amanda Figueiredo, 30, a resolução tirou seu "direito e privacidade". Ela se define como cristã e conservadora, e diz que se preocupa com sua segurança. "Se [um homem heterossexual] entrar, quem vai falar? Para depois ser acusado de homofóbico?"

Para o movimento UFF Livre, contrário à resolução, identidade de gênero e orientação sexual são questões "de foro íntimo", e as placas visam "atender interesses de uma militância político-ideológica".

A professora de estudos de gênero da Federal da Bahia (UFBA) Maíra Kubik diz que a violência contra mulheres é um risco, mas não deve ser usada para retirar direitos das trans. "Mulheres são estupradas em qualquer lugar".

Ela, com apoio de movimentos LGBT, diz que é melhor não identificar os banheiros.

A ideia do "terceiro banheiro", entretanto, é controversa. Segundo Marina Reidel, do MDH, esse é um arranjo possível. "Não é o melhor, mas são acordos para minimizar a violência e humilhação", pondera.

Professora de psicologia do Instituto Federal do Rio de Janeiro, Jaqueline de Jesus, trans, discorda. "Ou todos são unissex ou nenhum. Isso joga as trans no banheiro estranho, e reforça a segregação".