Banha e Edilson Dias querem balsas em Vicente de Carvalho

Vereadores acreditam que sistema de travessia entre o distrito e o Centro de Santos será eficaz

Comentar
Compartilhar
24 ABR 2017Por Da Reportagem12h00
Vereadores acreditam que construção de atracadouros no canal entre o Centro e Vicente de Carvalho seria idealVereadores acreditam que construção de atracadouros no canal entre o Centro e Vicente de Carvalho seria idealFoto: Matheus Tagé/DL

Enquanto os usuários do sistema de travessia de balsas entre Santos e Guarujá perdem a paciência nas imensas filas e o Governo do Estado praticamente descarta, pelo menos a médio prazo, o sonhado túnel por conta da crise econômica, dois vereadores – Antonio Carlos Banha Joaquim (Santos - PMDB) e Edilson Dias (Guarujá - PT) – apresentaram uma igual alternativa para solucionar a questão: a implantação de sistema de travessia de veículos entre o Centro de Santos e Vicente de Carvalho.            

“A balsa entre Guarujá e Santos é a travessia que possui o maior fluxo de veículos do mundo nessa categoria, com aproximadamente 25 mil veículos ao dia. Já a ligação entre Santos e Vicente de Carvalho é feita por sete lanchas que transportam, todos os dias, milhares de pessoas, fazendo o transporte apenas de passageiros e bicicletas. É notório que o sistema está esgotado. Precisamos criar novas alternativas para ampliar este serviço que, na época de temporada, é ainda mais caótico”, argumenta Edilson Dias, presidente da Câmara de Guarujá.

Dias já apresentou uma indicação ao prefeito Válter Suman (PSB), solicitando que ele determine, em caráter de urgência, estudos junto ao setor competente da Prefeitura e do Governo Estadual, no sentido de viabilizar a construção de um atracadouro em Vicente de Carvalho para automóveis, visando desafogar o ferry-boat da Avenida Adhemar de Barros. Segundo Dias, existe um grande fluxo de trabalhadores que poderão, caso seja atendida essa indicação, utilizar do sistema de travessias de automóveis no local minimizando as intermináveis filas e demora para a travessia.

Santos

O santista Antônio Carlos Banha fez o mesmo: indicou ao prefeito Paulo Alexandre Barbosa (PSDB) que tome providências junto ao setor competente municipal e ao setor competente do Governo Estadual, estudos no sentido de viabilizar a construção de atracadouros no mesmo ponto.

“As soluções, as vezes, são simples e bem mais próximas de nossa realidade. É preciso um pouco de boa vontade e pensar nos trabalhadores das duas cidades. O que não pode a centenas de pessoas ficarem somente com uma alternativa de travessia de veículos”, afirma Banha, que solicita que sua indicação

Saturada

Recentemente, em entrevista, o presidente da DERSA, Laurence Casagrande Lourenço, disse que “a travessia de balsas entre Santos e Guarujá está saturada e causa prejuízos ao Governo do Estado”. De acordo com o responsável, o sistema está saturado porque não cabem mais atracadouros: “Hoje, não consigo operar mais do que oito embarcações simultaneamente. Se a solução for balsa, precisamos encontrar outros pontos ao longo do canal e montar novas travessias”, comentou.

Até impeachment já serviu de desculpa

Há um ano – 27 de abril de 2016 - pelas mãos da repórter do Diário, Daniela Origuela, os leitores do Diário descobriram que o desfecho da novela que conta a história da implementação de ligação seca entre Santos e Guarujá ainda estava longe. Sem recurso suficiente para tocar a obra do túnel submerso, que teve a licitação suspensa pelo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP) em janeiro do ano passado, a esperança do empreendimento caiu sobre o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT).

Em visita à região, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) disse que aguardava a política econômica do ‘novo governo’ (Michel Temer) para pleitear mais recursos. O valor do empreendimento é de R$ 3,2 bilhões. Já foram investidos R$ 40,5 milhões no projeto executivo. “A ligação seca é o ideal e será feita.

Nós estamos aguardando a mudança do governo para verificar qual vai ser a política econômica do novo governo, após completado o processo de afastamento do Senado. Porque nós precisamos de financiamento da obra. Vamos aguardar. Temos aí uma boa expectativa”, afirmava Alckmin, em mais uma promessa, durante a entrega da Estação Bernardino de Campos e de dois trens do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT).