Banco do Povo injeta R$ 17 milhões em créditos na BS

O programa que constitui parceria entre Governo do Estado e municípios completa 10 anos

Comentar
Compartilhar
07 FEV 201323h01

O Banco do Povo Paulista completa uma década no Estado de São Paulo e só na Região Metropolitana da Baixada Santista foram realizados, neste período, 6.436 financiamentos que resultaram num giro de capital de aproximadamente R$ 16,9 milhões. A primeira agência da Região foi instalada na cidade de São Vicente, em 1999. Só este ano, o Banco do Povo já executou 443 empréstimos, injetando R$ 1,4 milhão, na Baixada Santista.

Santos tem o maior volume de operações de crédito consolidadas. Em seis anos de atividade, a agência santista financiou mais de dois mil empréstimos, movimentando cerca de R$ 5,7 milhões, o equivalente a 35,3% do total de créditos concedidos na Região.

Na Baixada, todas as cidades possuem agências do Banco do Povo, porém a unidade de Mongaguá estará fechada a partir desta segunda-feira, sem previsão de reabertura, segundo informações de uma funcionária. A segunda cidade com o maior número de atendimentos, desde a sua inauguração, é Cubatão com 1.272 operações de crédito — R$ 2,8 milhões. Em seguida vem Guarujá com 735 empréstimos concedidos, um volume de aproximadamente R$ 1,9 milhão. São Vicente é a quarta cidade no ranking com 569 créditos liberados, somando um volume de R$ 1,6 milhão, em nove anos.

O diretor-executivo do Banco do Povo Paulista, Antonio Sebastião Teixeira Mendonça, afirmou que o programa criado para facilitar o acesso ao crédito a micro-empreendedores e trabalhadores autônomos informais aumentou o giro de capital no mercado, gerando renda e empregos diretos e indiretos. “Cada empréstimo gerou um emprego direto efetivo e pelo menos três indiretos, alimentando a economia local. Atendemos no Estado mais de 168 mil operações, ao longo de dez anos”.

Segundo Antonio Mendonça, do total de linhas de crédito concedidas, 79% foram para pessoas físicas e 21% para pessoas jurídicas, associações e cooperativas. Profissionais autônomos contrataram 51% dos empréstimos. Na carteira de clientes do Banco do Povo, no Estado, 20% são vendedores autônomos; 13% são comerciantes; 8%, costureiras, 7%, motoristas e 3%, cabeleireiros.

Mendonça esclareceu que pessoa física pode contratar financiamento de R$ 200 a R$ 5 mil, pessoa jurídica até R$ 7,5 mil e associações e cooperativas, até R$ 25 mil.

De acordo com Mendonça, o valor médio dos empréstimos liberados foi de R$ 2.950, na década. Ao longo do ano de 2007, a média registrada foi de R$ 3.400. Quanto à inadimplência, Mendonça disse que está em torno de 1,2% e que a longevidade dos negócios ultrapassa nove anos.

Prazos de financiamento

Para pessoa física, o prazo para capital de giro é de até 12 meses e para investimento fixo, até 24 meses. Pessoa jurídica pode financiar o capital de giro em até 18 meses e o investimento fixo em até 36 meses. Para todos os empréstimos, a taxa de juros é de 1% ao mês.

Avalistas

Pode residir no mesmo endereço do tomador de crédito, pode ser cônjuge ou familiares, desde que tenha vínculo empregatício, não sendo empregado ou dependente financeiro do negócio do tomador de crédito.

Para ter direito ao crédito

É necessário estar produzindo há mais de seis meses no Município com firma aberta ou não; residir ou ter negócio há mais de dois anos no Município e ter endereço fixo; ter nome limpo no Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e no Serasa; e para início do negócio, o requerente deve possuir certificado de curso de capacitação técnica ou de gestão de empresas.

Aprimoramento do programa

Mendonça adiantou que o Governo do Estado, por meio da Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho, pretende implantar a partir do ano que vem um sistema informatizado em todas as agências do Banco do Povo. O sistema, segundo ele, agilizará o processo de análise e concessão do crédito ao cliente. “Hoje o processo leva sete dias, queremos liberar o crédito para o cliente em até 48 horas. Com o novo sistema, será muito mais fácil verificar se o cliente possui restrição de crédito (‘nome-sujo’ no SPC ou Serasa)”.

Histórico

O Banco do Povo Paulista foi regulamentado por meio do Decreto 43.283/98. Atualmente, 435 municípios são atendidos pelo programa, abrangendo 89% da população do Estado. Em 2007 foram realizadas 21,3 mil operações de crédito, com R$ 72 milhões em empréstimos. Desde o início de 2008 foram assinados mais de 12,1 mil contratos e emprestados R$ 45 milhões.  

É coordenado pela SERT em parceria com as prefeituras. Desde sua criação, o BPP realizou 168 mil operações e emprestou cerca de R$ 498 milhões.

Com o objetivo de promover a geração de emprego e renda no Estado, o BPP concede empréstimos a pequenos empreendedores (formais ou informais) como costureiras, jardineiros, eletricistas, artesãos, sapateiros, cabeleireiras, cooperativas e associações. As novas metas do Banco do Povo Paulista são: ser a porta de entrada para a formalização dos Microempreendedores Individuais (MEIs), ser a porta de saída do assistencialismo levando ao produtivismo, reduzir a inadimplência e emprestar mais R$ 500 milhões até 2013, ou seja, conceder nos próximos cinco anos o mesmo valor disponibilizado desde o seu início, há 10 anos.