Baixada Santista pode ter selo metropolitano do turismo

Secretário Laércio Benko explica que iniciativa visa otimizar transporte de pessoas na região

Comentar
Compartilhar
25 JAN 2017Por Diário do Litoral10h30
Secretário estadual de Turismo destacou que Roda SP será considerado como case de sucesso para o desenvolvimento do selo metropolitano nas cidades da Baixada SantistaFoto: Matheus Tagé/DL

A Baixada Santista pode ganhar o selo metropolitano do turismo. A iniciativa foi apresentada pelo secretário estadual de Turismo, Laércio Benko, ontem, durante reunião do  Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana da Baixada Santista (Condesb). O evento foi realizado na sede da Agência Metropolitana da Baixada Santista (Agem), em Santos.

Batizado pelo secretário de ‘Selo Metropolitano Roda SP’, a iniciativa visa otimizar o transporte de turistas pela região por meio de ônibus, micro-ônibus e vans. Os veículos fariam parte um sistema em que poderiam trafegar pela região sem precisar de uma autorização específica de cada um dos municípios.

“Nós temos um grande exemplo de sucesso em um projeto similar, que é o Roda SP. Ano passado o Roda SP, durante 30 dias, embarcou mais de 13.500 passageiros. Agora, nesses primeiros dias do ano, já batemos o recorde do ano passado. Até o final do mês devemos embarcar 20 mil passageiros. Então, isso demonstra que o turismo se faz com integração, com a criação de circuitos e roteiros turísticos. Claro que sempre respeitando a individualidade de cada município que tem o direito de impor sua própria legislação para o trânsito. Contudo, temos também que entender que o turismo é algo que se faz através de circuitos e roteiros. Temos que conversar e dialogar com os municípios. É isso que fizemos hoje. Dialogamos para tentar, gradativamente, implantar uma sistemática que permita com que os ônibus que tragam os turistas possam rodar pelas nove cidades da Baixada Santista sem ter necessidade de pedir autorização cidade por cidade, o que torna o processo muito burocrático”, explicou Benko.

De acordo com os técnicos da secretaria de Turismo, a ideia é ter um passe livre de vans, ônibus e micro-ônibus na Baixada Santista como forma de fomentar o turismo sustentável e estimular o desenvolvimento.

Se trata de um selo eletrônico, com uma plataforma integrada. É necessário também a criação de um regulamento do selo, onde cada cidade estipulará os critérios para que os veículos possam trafegar na cidade. Além disso, todos os municípios deverão estabelecer roteiros turísticos que devem ser seguidos, sendo colocados como peça-chave do projeto.

Além disso, todos os veículos serão identificados com selo e as agências de turismo responsáveis pelo transporte teriam que distribuir vouchers aos turistas. Em todos os casos, com idenficação por QR Code, para que a secretaria possa fazer o monitoramento e a fiscalização do serviço.

Outra ideia é a utilização de pórticos de registro de passagem para que o veículo seja obrigado a registrar a presença pelos pontos turísticos ­estabelecidos.

Com maior estrutura, secretaria pretende agilizar liberação de verbas vindas do Dade

Laércio Benko também destacou que espera, neste ano, que a liberação de recursos provenientes do Departamento de Apoio ao Desenvolvimento das Estâncias (Dade) seja mais ágil. Isso porque a pasta irá aumentar a estrutura.

“A partir do dia 9 de fevereiro vamos quintuplicar a equipe para agilizar a liberação dos recursos para aquelas prefeituras que estão em condições de ter esses recursos liberados. Para aquelas que ainda não tem como, por exemplo São Vicente, nós estamos de mãos dadas com o prefeito Pedro (Gouvêa) para poder tirar a Prefeitura do Cadin e poder liberar também os recursos do Dade”, disse Benko.

A ampliação da estrutura se deu após o governo Geraldo Alckmin autorizar que até 4% do fundo do Dade seja utilizado com custeio. Anteriormente, isso era proibido e a verba para desenvolvimento de projetos era oriunda da própria secretaria de Turismo.

“Isso significa que nós iremos agilizar todas as vistorias e todos os processos para aquelas obras em andamento, e também os novos projetos de 2017 serão agilizados com muito mais rapidez. Isso permitirá, para aquelas prefeituras que estiverem colaborando conosco, tenham seus recursos liberados, do passado e deste ano, de uma forma muito mais rápida”, comentou o secretário.

Atualmente, a pasta de Turismo possui cerca de 1.100 processos em andamento no Dade. O governador colocou como meta que, até o final do ano, este número esteja entre 200 e 300 processos, contabilizando os que serão apresentados neste ano.

Além disso, Benko fez um apelo para que as prefeituras apresentem o quanto antes os projetos para 2017. Ele também alertou para que sejam seguidas as novas regras.

"O projeto, a partir deste ano, tem que ser aprovado pelo Conselho Municipal do Turismo de cada cidade. Pode parecer uma trava, um viés burocrático, mas não é. Isso significa, de uma forma inteligente que a Assembleia Legislativa nos presentou, de dar as mãos entre a prefeitura, o governo do Estado e a sociedade civil organizada de cada cidade. Sem essa chancela prévia do Conselho Municipal de Turismo sequer poderemos analisar os projetos que serão apresentados pela prefeitura para o Dade”.