X
Cotidiano

Baixada Santista perde quase R$ 30 mi em ICMS

A redução do Índice de Participação dos Municípios (IPM) foi preponderante na queda

Cubatão, Guarujá, Santos e São Vicente tiveram variação negativa do IPM e passaram a receber percentualmente uma parcela menor dos recursos do ICMS / Rodrigo Montaldi/DL

A Baixada Santista perdeu quase R$ 30 milhões em repasses do Imposto de Circulação de Mercadoria e Serviços (ICMS) no ano passado. O montante recebido pelos nove municípios da Baixada Santista em 2016 foi de R$ 832.296.939,51. Em 2015, os valores somaram R$ 861.880.363,95. A verba é destinada é liberada de acordo com o Índice de Participação dos Municípios (IPM) e corresponde a 25% da arrecadação do imposto.

Segundo a Secretaria Estadual da Fazenda, a baixa nos repasses teve como fator preponderante a queda real de mais de 8% na arrecadação de ICMS de 2015 para 2016. Além disso, os municípios de Cubatão, Guarujá, Santos e São Vicente tiveram variação negativa do IPM e passaram a receber percentualmente uma parcela menor dos recursos.

No último dia 17, o Governo do Estado repassou mais de R$ 10,6 milhões aos municípios da Região referentes ao imposto. A cota-parte do ICMS compõe as receitas próprias das cidades. O montante deve ser utilizado obrigatoriamente, como determina a Constituição Federal, os percentuais mínimos de 15% e 25% para a saúde e a educação. O restante pode ser aplicado em despesas correntes como custeio e folha de pagamento.

Em São Vicente, por exemplo, o repasse da última semana contribuiu para o pagamento do salário de dezembro dos servidores públicos que estava em atraso. O município, que passa por grave crise financeira, recebeu R$ 66.435.318,27, em 2015 e R$ 66.306.493,73, em 2016.

Apenas as cidades de Praia Grande, Itanhaém, Bertioga e Mongaguá apresentaram leve crescimento no repasse da cota parte do ICMS no ano passado.

Tributo

O ICMS é um imposto que cada um dos Estados e o Distrito Federal podem instituir, como determina a Constituição Federal de 1988. Esse imposto pode ser seletivo. Na maior parte dos casos o ICMS, que é embutido no preço, corresponde ao percentual de 18%. Entretanto, para certos alimentos básicos, como arroz e feijão, o ICMS cobrado é de 7%. Já no caso de produtos considerados supérfluos, como, por exemplo, cigarros, cosméticos e perfumes, cobra-se o percentual de 25%.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

ELEIÇÕES 2022

Janones critica 'arrogância' de discurso da esquerda no Twitter

'Arrogância de setores da elite intelectual não lhes permite compreender que João Gomes forma mais opinião que Chico e Caetano', escreveu

Meio Ambiente

Desmatamento na Amazônia caminha para se tornar incontrolável, dizem especialistas

Com os níveis atuais de desmatamento registrados -com diversos meses com destruição amazônica acima dos 1.000 km²-, os compromissos climáticos internacionais do Brasil podem ficar em xeque, especialmente a redução da emissão de gases-estufa

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software