Prefeitura Santos
Prefeitura Santos Mobile

Baixada Santista não irá aderir a megaferiado de seis dias, afirma Paulo Alexandre

A informação foi divulgada pelo prefeito de Santos, após reunião com todos os chefes do Executivo da Região nesta terça-feira

Comentar
Compartilhar
19 MAI 2020Por LG Rodrigues12h00
'No que compete às cidades da Baixada Santista, nós não iremos antecipar os feriados. Rotina normal aqui na Região', afirma o prefeito de Santos.Foto: Nair Bueno/Diário do Litoral

As nove cidades da Baixada Santista não irão aderir ao megaferiado de seis dias planejado pelo Governo do Estado em conjunto com a prefeitura da Capital e que deverá ocorrer nesta semana. A informação foi divulgada pelo próprio prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa, após reunião com todos os chefes do Executivo da Região nesta terça-feira (19).

De acordo com as autoridades, os dias que serão considerados feriados se iniciam nesta quarta-feira (20) e se estenderão até a próxima segunda-feira (25) após alguns feriados terem sido antecipados. As medidas, que foram tomadas pelas autoridades na esfera estadual, têm como objetivo manter as pessoas sem circular pelas metrópoles do Estado e tentar conter os índices de contaminação pelo novo coronavírus.

Em reunião realizada nesta manhã, entretanto, os nove prefeitos da Baixada Santista rechaçaram a proposta e informaram o Governo do Estado que não seguiriam o calendário.

"No que compete às cidades da Baixada Santista, nós não iremos antecipar os feriados. Rotina normal aqui na Região", afirma o prefeito de Santos.

 

Apesar disso, a decisão estadual de antecipar as datas comemorativas e pontos facultativos e criar um 'megaferiado' ainda poderia implicar em uma série de ocorrências em relação à Baixada Santista, especialmente pelo fato de que muitas pessoas podem se sentir compelidas a viajar durante os seis dias para o litoral paulista. Prevendo isso, os chefes do Executivo da Região enviaram um pedido ao governo estadual para que as rodovias do Sistema Anchieta-Imigrantes (SAI) passem a contar, durante este período, com um bloqueio sanitário e o pedido foi aceito.

"Nos vamos realizar medidas de bloqueios sanitários nas cidades. Tivemos na reunião o comprometimento do Governo do Estado a realizar o bloqueio no Sistema Anchieta-Imigrantes e em breve o próprio governo estadual irá detalhar como será feita esta operação porque ela devera começar a funcionar imediatamente", afirma Paulo Alexandre.

Todo o plano do governo de João Doria para coibir motoristas que estejam se dirigindo às cidades caiçaras deverá ser divulgado até o fim desta terça-feira. Já em relação ao plano de retomada do comércio da Baixada Santista, Paulo Alexandre também afirmou que um relatório deverá ser divulgado até 16h, mas antecipa que toda e qualquer medida não possuirá um cunho político, e sim, uma análise técnica baseada em dados relacionados ao número de pessoas infectadas pelo novo coronavírus e como se encontra a curva que expõe as estatísticas de casos confirmados de moradores.

"Quem vai definir essas medidas serão os próprios moradores. As atitudes da população é que determinarão a rapidez com a qual tudo isso deverá ser feito, caso nós tenhamos uma aderência ao isolamento social e a curva de infectados pelo novo coronavírus venha a diminuir sua ascendência, teremos uma retomada mais rápida, mas novamente, tudo isso vai depender das pessoas".