X
Cotidiano

Baixada deixou de receber R$ 53 bi do Estado em oito anos

O levantamento, baseado em dados extraídos de documentos oficiais da Secretaria de Estado da Fazenda, é do jornalista e consultor em gestão pública Rodolfo Amaral

O levantamento, baseado em dados extraídos de documentos oficiais da Secretaria de Estado da Fazenda, é do jornalista e consultor em gestão pública Rodolfo Amaral / Rodrigo Montaldi/DL

Os nove municípios que compõem a Região Metropolitana da Baixada Santista deixaram de receber nos último oito anos R$ 53,6 bilhões do que lhes eram de direito. O levantamento, baseado em dados extraídos de documentos oficiais da Secretaria de Estado da Fazenda, é do jornalista e consultor em gestão pública Rodolfo Amaral. “Neste período, recebeu somente R$ 9,3 bilhões, dos R$ 62,9 bilhões de direito. E ainda há pessoas que diz que o governador Geraldo Alckmin olha com carinho a ­nossa ­região.

Amaral explica que o Governo do Estado fechou suas contas de 2017 com uma despesa de R$ 225 bilhões 505 milhões na Administração Direta. No conjunto global de despesas estaduais de custeio e de investimentos, a Baixada Santista ficou, mais uma vez, com a “ínfima participação de 0,59%, menor inclusive do que os 0,62% registrados em 2016. Com base na sua representatividade populacional, a região deveria contar com uma fatia de 4,05% destas despesas, o que comprova com dados oficiais que somos absolutamente preteridos nesta divisão de recursos e de responsabilidades”, afirma, ressaltando que, em média, nos últimos oito anos, o índice regional foi de apenas 0,60%.

Penitenciárias

O consultor ressalta que 4,05% é um indicador que serve para vários indicadores. A Baixada representa esse índice percentual frente ao Estado no quesito população, eleitores, economia e outros. Só que no momento de repartir as despesas e investimentos, o percentual é bem menor (0,59%). “A única área na Baixada que recebe, em tese, o que lhe é de direito é a da Administração Penitenciária, por conta da grande quantidade de presídios. Ou seja, o governador é generoso na hora de enviar dinheiro para presídio, mas para educação, saúde e outras não é tão generoso”, afirma, enfatizando que 4,05% é um direito da Baixada.

Sem cobrança

O consultor não poupou críticas aos deputados e prefeitos da região, por serem esses últimos pelo menos sete do PSDB, partido de Alckmin. “Eles deveriam fiscalizar e cobrar. Se não fazem, faço eu. O que me espanta é que são informações absolutamente verdadeiras e oficiais. Ano passado, por conta do número de prefeitos do PSDB, falaram que a Baixada seria vista com outros olhos. Mentira. No primeiro ano de gestão dos sete, houve redução de custeio e investimentos. Todos têm responsabilidade. Cabe aos nossos representantes cobrar. Não é possível que só eu tenho acesso às informações”, reclama. O Governo do Estado não se posicionou sobre a ­questão.

 

 

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

Praia Grande recebe quarta edição do Meeting Arq Experience

Evento, que este ano tem entrada social, reúne grande nomes da arquitetura nacional abordando temas como marketing, empreendedorismo, sustentabilidade e inclusão

Santos

Arena Festival traz Zimbra, Scalene, Dead Fish e mais atrações do rock nacional

Ao todo, sete atrações tocam a partir do meio-dia de sábado (13) até a madrugada de domingo (14), no Arena Club, em Santos; ingressos podem ser comprados pelo site do Articket

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software