Bairro Solemar, em Praia Grande, recebe nebulização contra dengue

Cidade intensificou os trabalhos voltados a eliminação dos criadouros do mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença

Comentar
Compartilhar
26 MAR 201518h31

Equipes do Centro de Controle de Zoonoses da Secretaria de Saúde Pública (Sesap) de Praia Grande realizaram a nebulização contra dengue de pontos considerados estratégicos no Bairro Solemar durante esta semana. O serviço já foi desenvolvido em outras áreas da Cidade. O Município intensificou os trabalhos voltados a eliminação dos criadouros do mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença.

A nebulização é realizada atendendo todas as normas do Ministério da Saúde. Por contar com substâncias tóxicas que podem fazer mal a saúde, o procedimento em uma determinada região da Cidade só é autorizada pelo Ministério quando ocorre a confirmação de um caso de dengue naquela localidade. O Município não tem liberação para realizar a ação em qualquer outra situação.

Os técnicos da Zoonoses ressaltam que o produto utilizado tem ação residual tóxica que dura até 20 minutos após a aplicação. Sua eficácia ocorre apenas quando existe o contato direto com o mosquito quando ele está em vôo, ou seja, na fase adulta.

Nebulização contra dengue será realizada no bairro Solemar (Foto: Divulgação/PMPG)

Por isso, a coordenadora do Centro de Zoonoses, Maria Fernanda Gonçalves, destacou a necessidade da população prosseguir com a vigilância sobre água parada, evitando condições favoráveis de criadouros. “O modo mais eficiente de controle da dengue e da proliferação de qualquer tipo de mosquito é com a eliminação da larva e ovo, e não na fase adulta.

Intensificamos todas nossas ações, principalmente em obras e pontos estratégicos em várias regiões da Cidade. Os munícipes precisam colaborar. Cada um deve fazer sua parte no combate à dengue”.

Medidas simples como telar ralos, limpar calhas periodicamente e eliminar pratos de plantas fazem grande diferença. Um grave problema encontrado pelos agentes de combate à dengue, além das casas de veraneio que estão fechadas, é que parte da comunidade apresenta resistência em permitir a entrada dos profissionais nas residências. O comportamento tem atrapalhado o desenvolvimento das atividades em todo o Município.