Ba-Bahianas: 81 anos de histórias vira livro em São Vicente

Maior bloco de rua da Baixada Santista vai reunir memórias em publicação

Comentar
Compartilhar
18 FEV 2017Por Diário do Litoral10h30
Diretoria busca junto aos foliões relatos, fotografias, vídeos e reportagens registrados ao longo dos 81 anos de existência do bloco; acervo vai virar publicaçãoDiretoria busca junto aos foliões relatos, fotografias, vídeos e reportagens registrados ao longo dos 81 anos de existência do bloco; acervo vai virar publicaçãoFoto: Matheus Tagé/DL

Desde 1936, ininterruptamente, o Bloco Ba-Bahianas sem Taboleiro arrasta uma multidão na manhã de domingo de Carnaval, em São Vicente. A tradição do desfile ultrapassou gerações e a história do grupo se confunde com a da cidade. Para comemorar os 81 anos de existência, a ­diretoria do bloco pretende reunir junto aos foliões relatos e fotografias que retratem esse período. O objetivo é transformar o acervo testemunhal e visual em livro.

“O Ba-Bahianas é um bloco de arrastão que não tem acervo. Estamos em trabalho de pesquisa e de coleta de material histórico. A ideia é contar como era São Vicente nos anos 30 e 40, como era o Carnaval antes do Ba-Bahianas e a trajetória da festa depois do bloco. Para isso contamos com a ajuda de pessoas que tenham parentes que tenham registrado esses momentos, seja em fotos, reportagens ou filmagens”, explicou o advogado e historiador Flávio Viana. Ele integra a diretoria do bloco.

O primeiro desfile do Ba-Bahianas foi em 1936. Ao som de uma bandinha, o grupo de homens, formado basicamente por atletas do São Vicente Futebol Clube, vestidos com roupas de baianas, se concentrou em frente a um pequeno palco montado na Rua Martim Afonso, no Centro da cidade. Após a fundação, o bloco passou a ter concentração na Praça Barão do Rio Branco. No início deste ano, o último fundador do grupo vivo, Pedro Spilotro, faleceu.

“O Ba-bahianas teve várias fases. Na primeira, os homens saíam vestidos de baianas e as mulheres eram proibidas de desfilar no bloco. Depois veio a fase do Carnaval de Corso, com carros anos 20 e 30. Teve também o período da crítica aos políticos entre a ditadura e o início dos anos 90. Nos anos 90, seguindo a linha do Carnaval de Salvador, o bloco passou a contar com trio elétrico. A partir dos anos 2000, as mulheres tiveram a permissão para desfilar”, explicou Viana. Atualmente, os homens que seguem o bloco se vestem de ­mulher.

Mulher

A professora Regina Dias foi a primeira mulher a presidir o bloco. Atualmente na diretoria, ela relembra a sua trajetória no grupo, que vivenciou a sua pior fase entre os anos de 2013 e 2016.

“Antes, a gente só pintava os pais e avôs. Entrei na associação em 2000 e me tornei presidente em 2012. Virei presidente sem saber. O bloco estava parado em frente à Prefeitura, o Nazir (ex-presidente) pegou o microfone e falou ao prefeito Tercio (falecido em dezembro do ano passado): ‘o senhor está aqui para nomear a nova presidente do Ba-Bahianas, de hoje em diante ela assume’. Eu não sabia nem o que falar, mas assumi”, destacou a professora.

No ano seguinte à nomeação surpresa, Regina enfrentou seu primeiro desafio: colocar o bloco na rua. Com a mudança de governo, o grupo enfrentaria pressão e resistência política pelos próximos quatro anos. “Perto do desfile a minha casa amanhecia com a mídia querendo saber da briga do bloco com a Prefeitura. Fazíamos reunião todo mês com a Secretaria de Cultura. Eles colocavam inúmeras limitações para que nós desistíssemos, mas continuamos mesmo com todos os problemas”, destacou.

Desfile

Este ano, o bloco sai com mais apoio da Prefeitura. A previsão é arrastar para a rua mais de 50 mil foliões, marca registrada no ano passado. A concentração do Ba-Bahianas será às 10 horas, na Praça 22 de Janeiro. A organização prevê a participação de três ou quatro trios elétricos que devem animar o público. O desfile seguirá pela Avenida Embaixador Pedro de Toledo até a altura da Praça Tomé de Souza, de onde haverá a dispersão por volta das 13 horas.

“É bom lembrar que o desfile é todo filmado e há esquema de segurança. Pretendemos fazer uma homenagem ao Spilotro. A gente pede aos homens que puderem que vão caracterizados de baianas para relembrarmos os velhos tempos do bloco. Antigamente havia concurso para escolher a melhor baiana”, lembrou Regina.