Avenida Alcides de Araújo, em São Vicente, continua sem pavimentação

Há sete anos, mais precisamente em agosto de 2010, a obra de drenagem das bacias do Catiapoã foi iniciada e até o momento não foi concluída

Comentar
Compartilhar
17 OUT 2017Por Vanessa Pimentel10h30
Inicialmente, a previsão de término dos serviços era agosto de 2012Foto: Rodrigo Montaldi/DL

Enquanto a Reportagem do Diário do Litoral ouvia dos moradores, no início deste  mês, reclamações e detalhes sobre a invasão dos mosquitos em São Vicente, outros lamentavam a situação da Avenida Alcides de Araújo, no bairro Catiapoã. A frustração não é para menos: há sete anos, mais precisamente em agosto de 2010, a obra de drenagem das bacias do Catiapoã foi iniciada e até o momento não foi concluída.

Por isso, o que se vê por ali não lembra em nada uma avenida. Com a obra parada, a via encontra-se completamente esburacada, cheia de lama, mato, água parada em grandes poças e sem a sinalização adequada tanto para os motoristas quanto para os pedestres.

Inicialmente, a previsão de término dos serviços era agosto de 2012. No entanto, o rompimento do contrato com a empresa vencedora impediu a continuidade dos trabalhos. Uma nova empresa assumiu a obra, que teve a conclusão estendida para 2014, mas também desistiu, situação que já foi relatada em outras matérias publicadas pelo DL.

O serviço nas bacias do Catiapoã compreende dois canais, o da Avenida Alcides de Araújo, no Catiapoã, e da Rua Louviral Moreira do Amaral, no Sá Catarina de Moraes e está orçada em mais de R$ 10 milhões. O objetivo é conter os alagamentos constantes que acontecem na região.

Paulo Sérgio de Oliveira mora no bairro há 50 anos e classifica o local como “abandonado”.  

“A gente passa por dois problemas com essa rua do jeito que está. Quando o tempo está seco sobe muita poeira, invade as casas e faz mal para as crianças e para o pessoal que sofre com asma. Quando chove, alaga tudo e sete anos assim é muito tempo”, explica Paulo.

André Soares também é morador antigo, há 37 anos, e afirma que se antes o bairro já enchia, depois da obra inacabada só piorou.

“A gente esperava que fosse melhorar o problema das enchentes, mas está muito pior. Além disso, muitos caminhões passam por aqui porque essa avenida é uma das principais da cidade e os buracos vão aumentando”, conta.

Prefeitura

A Prefeitura informou que equipes da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas (Sedup) e da Codesavi serão enviadas aos locais citados para executarem melhorias. No entanto, as soluções ­definitivas só serão possíveis com a conclusão das obras da Bacia do Catiapoã, pela qual o órgão trabalha para retomar o convênio com o Governo Federal.

Também explicou que uma das principais ações realizadas pela Administração foi o credenciamento no programa Desenvolve São Paulo, onde pleiteia R$ 10 milhões para realização de repavimentação de diversas ruas e aguarda aprovação do Estado para obter os recursos. Parcerias com o Governo do Estado, por meio do Dade e do Detran-SP também trarão melhorias viárias para o Município.