Até homem é vítima de assédio no metrô de São Paulo

Homens, os agressores têm, em média, 32 anos e 11 meses de idade e preferem atacar de manhã. As Linhas 3-Vermelha, do Metrô, 7-Rubi e 11-Coral, da CPTM, são as mais visadas

Comentar
Compartilhar
21 MAR 201411h27

Até homem e mulher mais velha são vítimas de abusos no Metrô de São Paulo e na Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). É o que revelam os boletins de ocorrência e termos circunstanciados lavrados em virtude de assédios sexuais no sistema desde o início do ano. Ao todo, a Delegacia de Polícia do Metropolitano (Delpom) registrou 22 casos dessa natureza entre janeiro e anteontem. Homens, os agressores têm, em média, 32 anos e 11 meses de idade e preferem atacar de manhã. As Linhas 3-Vermelha, do Metrô, 7-Rubi e 11-Coral, da CPTM, são as mais visadas.

Os registros indicam que metade dos aliciamentos aconteceram dentro dos vagões de metrô ou dos trens suburbanos e os demais, nas estações. A Palmeiras-Barra Funda, que integra linhas da CPTM a outra do Metrô na zona oeste da capital paulista, contabilizou três casos, assim como a Sé, no centro. Em seguida, figuram a Anhangabaú, também na região central, com duas ocorrências, a Consolação, na Linha 2-Verde, a Luz, na Linha 7, e a Brás da CPTM.

De acordo com o delegado Cícero Simão da Costa, titular da Delpom, os molestadores agem com mais afinco nos horários de pico, quando as estações e os trens da rede ficam superlotados. "Em muitos casos, o criminoso começa a 'encoxar' a vítima no começo da linha e só para quando ela desce do trem." Sete molestadores eram casados.

No geral, conforme o levantamento feito pelo Estado, as vítimas têm 28 anos e 7 meses. Das 22 que foram molestadas e denunciaram os seus agressores à polícia neste ano, seis são casadas. Três têm mais de 40 anos. Houve um caso em que um passageiro acariciou a barriga, a cintura e o seio de uma babá de 54 anos, casada. O episódio ocorreu no interior de um trem na Linha 7, sentido Francisco Morato, em 31 de janeiro. O criminoso viajou sentado ao lado da vítima, que o denunciou aos seguranças ao desembarcar.

Até homem e mulher mais velha são vítimas de abusos no Metrô de São Paulo (Foto: Divulgação)

No dia 13 daquele mês, um técnico em informática de 22 anos foi molestado por um arquiteto de 38 na Estação Sé do Metrô, quando desembarcava do trem, às 17h35. Segundo o termo circunstanciado elaborado pela polícia, o aliciador "passou a mão no órgão genital da vítima apertando o mesmo com vigor". O jovem "não aceitou a importunação", empurrou o arquiteto para fora do vagão e, depois, o segurou "pelo colarinho para que fosse apresentado ao corpo de segurança" do Metrô. Todas as demais vítimas, no entanto, são mulheres.

Para a Polícia Civil, ainda existe muita subnotificação. Nesta quarta-feira, 19, o delegado Osvaldo Nico Gonçalves, da Delegacia Especializada em Atendimento ao Turista (Deatur), ligada à Delpom, frisou que é preciso que as mulheres denunciem qualquer abuso que sofram e apontem o responsável pelo crime para que ele seja punido.

Casos

Outros dois casos passaram a ser investigados nesta quinta-feira, 20. Em um deles, duas adolescentes foram acariciadas por um homem na Linha 3-Vermelha. No outro, o agressor apalpou as coxas de uma mulher na Estação Consolação. Os dois homens foram detidos, mas já liberados.