Árvores da espécie “fícus” correm risco em Guarujá

A espécie foi muito utilizada, no passado, para arborizar a cidade e hoje provocam estragos nas calçadas e tubulações.

Comentar
Compartilhar
04 FEV 201314h45

Bastante utilizada no passado para a arborização da Cidade, as árvores da espécie fícus provocam estragos em calçadas e tubulações. Por isso, atualmente, seu uso em vias públicas não é recomendado pela Prefeitura de Guarujá, por meio da Secretaria de Meio Ambiente (Semam).

E a Semam detectou um novo problema com a espécie: o surgimento de um inseto “mosca-branca-fícus” atacando as árvores, sugando a seiva e provocando a queda das folhas. Quando a infestação é grande a árvore chega a morrer. Há relatos de casos em Tuparetama (PE), Belo Horizonte (MG) e em vários países.

Pesquisadores de Minas Gerais comentam que a praga foi identificada pela primeira vez nos Estados Unidos, em 2007, mas ainda não há uma forma eficaz de combate ao inseto. Como é vetado ao poder público o uso de Defensivos Agrícolas em áreas urbanas, outros métodos precisam ser estudados.

“No passado, boa parte da arborização de Guarujá e Vicente de Carvalho foi implantada com essa espécie de árvore. A maioria pelos próprios munícipes, sem levar em conta aspectos técnicos, um dos quais o fato de que  atinge grande porte sem que seu sistema radicular lhe dê suficiente estabilidade, ocasionando  a queda de exemplares durante vendavais”, diz  Claudia Soukup, engenheira Agrônoma da Semam.

Novo problema para a espécie: o surgimento de um inseto “mosca-branca-fícus” atacando as árvores, sugando a seiva e provocando a queda das folhas (Foto: Marcos França/ Divulgação)

O fícus é a planta mais utilizada nas ruas de muitas cidades, por sua rusticidade e facilidade de reprodução, dispensando custos para obtenção de mudas, e devido à  destruição que a árvore causa, o seu  plantio está proibido em algumas cidades.

A engenheira desaconselha  o  plantio de uma única espécie em grande áreas,” como observamos em nossa cidade, quer seja   Fícus  ou do  Chapéu de Sol  , outra espécie bastante utilizada  na arborização das ruas da Cidade e que existem espécies mais adequadas para se plantar nas calçadas e nas residências” afirma.

Segundo ela, não existe uma espécie ideal para se plantar na Cidade. Os técnicos é que irão avaliar cada caso ou em cada calçada. Itens como a presença de rede elétrica, a largura da calçada e outros para se chegar  à melhor espécie para aquele determinado local. Quem quiser plantar uma árvore em sua calçada pode pedir orientação à Semam, para não ter problemas futuros. Para isso, basta entrar em contato com a Diretoria de Preservação de Áreas da Semam, pelo telefone é 3308-7858.