Ar seco predominará na Baixada Santista até domingo

Em Santos a umidade do ar está em torno de 48% quando a referência para a saúde é acima de 60%. A situação só não é pior do que na Capital paulista, onde a umidade do ar está em 20%, considerada preocupante

Comentar
Compartilhar
19 JAN 201321h09

A umidade relativa do ar deverá permanecer baixa até domingo, devido à massa de ar seco que predomina sobre o País. Em Santos a umidade do ar está em torno de 48% quando a referência para a saúde é acima de 60%. A situação só não é pior do que na Capital paulista, onde a umidade do ar está em 20%, considerada preocupante.

Segundo o meteorologista do Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (CPTEC/INPE), José Felipe Farias, as temperaturas estão em gradativa elevação, podendo atingir média de 32º C e não há previsão de chuvas até domingo. A temperatura tenderá a subir no período da tarde, baixando ainda mais a umidade do ar. 

Segundo Felipe, a ocorrência de ar seco é típica do inverno, mas está perdurando mais do que o normal, em todo o País. “Na região Centro-Oeste não chove há um mês. Na Região Sudeste, a baixa umidade do ar prevalece há duas semanas, o que é considerado atípico. As frente frias não estão conseguindo quebrar as massas de ar quente”, explicou o meteorologista.

Reflexo na saúde

A consequência do chamado tempo seco para a saúde do paulista vai desde ardência e ressecamento dos olhos, boca e nariz, por exemplo, até o agravamento de doenças respiratórias.

Para evitar ou minimizar a ocorrência de problemas de saúde em decorrência do tempo seco, a Secretaria de Estado da Saúde indica alguns cuidados importantes. Crianças e idosos são os mais afetados pela baixa umidade do ar, por isso, é necessário incentivar para que bebam bastante água, sucos e água de coco, manter a higiene doméstica, evitando o acúmulo de poeira, que desencadeia problemas alérgicos.

Além disso, dormir em local arejado e umedecido pode contribuir para uma noite de sono tranquila. Os ambientes podem ser umidificados com toalhas molhadas, reservatórios com água e até umidificadores. Recomenda-se, ainda, o uso de soro fisiológico para manter a lubrificação dos olhos.

A pele também merece atenção especial neste período. Evite banhos com água muito quente, que provocam o ressecamento da pele, e use sempre que possível um creme hidratante. Em caso de irritação das vias aéreas e dos olhos, use soro fisiológico para lavar os olhos e as narinas.

“São cuidados simples, mas que podem fazer toda a diferença neste período de tempo seco, ajudando a manter a saúde e a qualidade de vida”, disse Ricardo Tardelli, coordenador estadual de Saúde.