Banner gripe

Aposentado luta por cateterismo em Cubatão

Prefeitura diz que Genival Borges Monteiro está na fila de espera; Secretaria de Saúde de SP desconhece pedido de urgência

Comentar
Compartilhar
09 MAR 2019Por Glauco Braga09h00
O aposentado Genival Borges Monteiro espera há dois anos por um cateterismo urgenteFoto: Nair Bueno/DL

O aposentado Genival Borges Monteiro, de 53 anos, convive diariamente com fortes dores no peito, na cabeça e falta de ar. Acometido por um Acidente Vascular Cerebral (AVC), em janeiro de 2017, ele, a esposa e a filha mais velha fazem uma verdadeira maratona em busca de atendimento e exames específicos. Sem contar com o primeiro diagnóstico feito na Unidade de Pronto de Atendimento (UPA) quando ficou dois dias internado e foi liberado pois, ao contrário do AVC, estaria apenas com "dores musculares".

Uma tomografia para avaliar os estragos do AVC no cérebro de Monteiro demorou três meses para ser realizado. Quando ficou pronto, o médico pouco conseguiu ver, pela demora do exame,e pela qualidade do material com o resultado que foi entregue.

Fabiana Aparecida Gomes da Silva Monteiro, esposa de Genival, percebeu que algo não estava bem quando percebeu que o marido não tinha força no lado esquerdo do corpo.

"Ele não conseguia segurar um copo. Derrubava tudo, não tinha firmeza na mão. Vi que havia algo errado com ele", disse. Monteiro relatava uma "dormência " no braços.

Sem plano

Ex- vendedor de frutas por atacado, em Santos, a família Monteiro não tem plano de saúde, por isso, procura atendimento nos serviços de saúde de Cubatão. "Ele estava com dores no peito e voltamos ao médico. Dessa vez, pagamos uma consulta. Ele pediu um cateterismo com urgência. Aí, começou nossa batalha", afirmou Fabiana.

No dia 24 de março de 2017, com a requisição do exame urgente em mãos, deram entrada com o pedido junto à policlínica. "Pediram para aguardar a vez dele". Em janeiro passado, Fabiana foi até a Secretária de Saúde da Cidade para saber se já havia saído a autorização do exame do marido. Lá, foi informada que era preciso paciência, pois havia sete pessoas na frente deles. "Pensamos até em tentar pagar o exame, mas ele custa mais de R$ 4 mil. Isso é impossível. Ele é aposentado por invalidez e estou fazendo faxina fora para ajudar no orçamento".

Fabiana diz que teme que essa demora toda possa fazer com que Genival tenha outro AVC ou mesmo um infarto."Ficamos sabendo que o pedido tinha ficado seis meses dentro de uma gaveta. Como ter paciência diante de uma situação dessas".

Prefeitura

A Secretaria de Saúde de Cubatão acompanha o caso, mas tem como procedimento não divulgar informações particulares de pacientes. Apesar de organizar a lista de espera, o município não pode prever quando a será executado o procedimento, que é de alta complexidade e, por isso, realizado pela Secretaria do Estado e não pelo município.

Estado

A Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que não existe nenhum pedido de urgência para um exame de cateterismo no nome de Genival Borges Monteiro.

"Não estou pedindo nada demais. Quero apenas que ele tenha uma qualidade de vida melhor. Cansei de ir à Unidade Básica de Saúde e não encontrar respostas. Até os remédios, algumas vezes tenho que comprar, pois não tem na Prefeitura.", disse Fabiana, que gasta perto de R$ 200,00 com os medicamentos.

Colunas

Contraponto