Após nove anos, Anvisa proíbe agrotóxico que causa câncer e Parkinson

O agrotóxico já é banido em várias partes do mundo há anos por ser considerado prejudicial à saúde de lavradores e consumidores, mas continuou sendo usado no Brasil

Comentar
Compartilhar
23 SET 2017Por Nilson Regalado13h02
A Anvisa resolveu proibir a comercialização do herbicida ParaquatFoto: Divulgação

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) resolveu proibir a comercialização do herbicida Paraquat. A decisão foi tomada na terça-feira, após reavaliação toxicológica do produto, que demorou nove anos para ser concluída. O agrotóxico já é banido em várias partes do mundo há anos por ser considerado prejudicial à saúde de lavradores e consumidores, mas continuou sendo usado no Brasil em plantações de feijão, milho, soja e cana.

Estudos científicos conduzidos por laboratórios estrangeiros e pela Fundação Osvaldo Cruz em 2009 já haviam concluído que o Paraquat provoca “aberrações cromossômicas” ao simples contato com a pele. Em outras palavras: o veneno usado para combater ervas daninhas induz à intoxicação aguda, mutações genéticas, desregulação endócrina, toxicidade reprodutiva, teratogênese, câncer e Mal de Parkinson.

Apesar de ser considerado “altamente tóxico” pela própria Anvisa, a agência fez a ressalva de que não há evidências que o herbicida deixe resíduo nos alimentos. Assim, os fabricantes do veneno poderão comercializar seu estoque até o fim e terão três anos para apresentar contraprovas capazes de convencer a Anvisa a rever sua decisão.

Em nota, a Anvisa argumentou que concedeu esse prazo de três anos para “minimizar os altos impactos econômicos, agronômicos e ambientais da medida, considerando, principalmente, a alta eficiência do produto, seu baixo custo, sua característica de não causar resistência em ervas daninhas”.

Crime contra o futuro...
Um estudo científico desenvolvido no Colégio de Ciências Humanas da University of Nebraska-Lincoln, nos Estados Unidos, comprovou que infecções bacterianas decorrentes da falta de água potável e saneamento básico estão na origem de problemas como déficit de estatura e desnutrição.

...das crianças...
Apresentado na terça, em SP, o estudo mostrou que embora a mortalidade infantil venha caindo no mundo neste século, crianças submetidas à falta de saneamento básico e água potável não conseguem atingir todo o potencial de desenvolvimento cognitivo e físico, em prejuízo da economia de seus países.

...do Terceiro Mundo!
Essas infecções bacterianas repetidas afetam as vilosidades intestinais e o perfil da microbiota intestinal, prejudicando a absorção de nutrientes para o resto da vida.Quando o problema ocorre em períodos de alta vulnerabilidade, como os primeiros dois anos de vida, os danos podem ser definitivos...

Lagosta barata
Centros de pesquisa da Austrália e da Tasmânia firmaram parceria para criação da primeira incubadora de lagostas do mundo, apesar do complexo ciclo de vida do crustáceo. A expectativa é que em dois anos os estudos seja iniciada a criação comercial de lagostas em cativeiro.

O vinho fino do...
Garanhuns se candidata a ser a próxima região vinícola do País. E as primeiras garrafas de vinho fino do agreste pernambucano foram degustadas agora em setembro.

...agreste pernambucano
Trabalho desenvolvido pelo Instituto Agronômico de Pernambuco e pela Universidade Federal Rural de Pernambuco está permitindo a produção de três variedades de uvas brancas: Muscat  , Sauvignon Blanc e Viognier; e de outras três uvas ­tintas: Malbec, Cabernet Sauvignon e Syrah.