Após abertura de comportas Prefeitura monitora nível do Rio das Pedras

A abertura parcial das comportas da barragem do Rio das Pedras, em Cubatão mobilizou todos os órgãos da Administração Municipal e a Defesa Civil da Cidade

Comentar
Compartilhar
19 JAN 201319h34

A abertura parcial das comportas da barragem do Rio das Pedras, em Cubatão, por volta das 16 horas de ontem para aliviar a cheia da represa Billings, no planalto, mobilizou todos os órgãos da Administração Municipal e a Defesa Civil da Cidade, que fizeram um monitoramento no local e na Usina Henry Borden.

Receosa com possível alagamento de indústrias e bairros do Município, a Prefeitura tentou impedir a abertura das comportas na Justiça, na sexta-feira. A Justiça chegou a conceder liminar em favor do Executivo Municipal, mas o efeito durou pouco. Ontem, a Empresa Metropolitana de Águas e Energia (Emae) recorreu e a liminar foi cassada pela Justiça.

Segundo a assessoria de imprensa da Prefeitura de Cubatão, além do volume de água que seria despejado no Rio das Pedras, havia uma preocupação com as chuvas devido ao mau tempo.

Ainda de acordo com a assessoria, equipes da Prefeitura fizeram a medição do nível do Rio das Pedras que apresentava 2,6 metros no início da abertura de uma das comportas e uma hora depois o nível subiu para 3 metros. O limite máximo era 4 metros.

Um possível alagamento afetaria diretamente pelo menos 1.500 famílias ribeirinhas dos bairros da Água Fria e Pilões. O volume de chuva atingiu 30,7 milímetros na tarde de ontem, em Cubatão, o deixou as equipes ainda mais apreensivas, conforme informações da assessoria.

A Prefeitura poderá pedir ao Governo do Estado estudo de impacto de risco e compensação das famílias ribeirinhas que, por ventura, sejam atingidas por possível alagamento.

O nível da represa Billings ultrapassou os limites de segurança devido a intensidade de chuvas na Grande São Paulo, e, por isso, a empresa Emae, decidiu pela abertura dos pontos de descarga da represa em Cubatão. São três pontos: reservatório do Rio das Pedras que deságua diretamente nas turbinas da Usina Henry Borden, e o do Perequê Pequeno, no Rio Perequê. O volume de água passa pela Usina Henry Borden e segue para o Rio Cubatão.

Conforme decisão judicial informada pela assessoria de imprensa da Prefeitura, as comportas podem ficar abertas por até 72 horas até que o nível de água da represa se normalize.

Na sexta-feira à noite, em atendimento ao recurso da Prefeitura, a liminar impedindo a abertura das comportas do Rio das Pedras havia sido concedida pelo juiz da 2ª Vara da Comarca de Cubatão, Thiago Gonçalves Alvarez.

Segundo informações da Emae publicadas em um jornal local, até sexta-feira a Billings estava com 85% de sua capacidade, há 1,7 metros da cota máxima de alagamento e 0,7 da cota do nível máximo operacional. A abertura parcial das comportas de descarga garantiria um nível seguro à represa Billings.

Nossa reportagem tentou entrar em contato com a Empresa Metropolitana de Águas e Energia (Emae) por telefone durante toda tarde ontem, mas sem sucesso. Ninguém atendeu às chamadas.