Ansiedade de separação: Como manter o bem-estar dos pets?

Especialistas em medicina veterinária dão dicas para orientar os tutores a lidar com situações de ausência e volta à rotina

Comentar
Compartilhar
16 SET 2021Por Da Reportagem19h02
A rotina dos pets também mudaram durante a pandemiaA rotina dos pets também mudaram durante a pandemiaFoto: Divulgação

Durante este longo período de isolamento social, causado pela pandemia da Covid-19, a mudança na rotina para quem é pai ou mãe de pet, e ainda trabalha fora, mudou muito. A maioria passou a atuar em regime de home office e, com isso, ficou mais tempo ao lado do seu animal de estimação.

Um fato importante a considerar nesse contexto é que a rotina do pet também mudou. Para ele, ter a companhia do seu tutor 24 horas por dia é o melhor dos mundos, porém, se seus pais humanos precisam se ausentar, o pet pode sofrer com a ansiedade de separação, mesmo que seja por um curto período de tempo.

Com a retomada das atividades, como a volta às aulas presenciais e a ampliação dos horários de fechamento dos comércios, por exemplo, muitos tutores estão atarefados em suas atividades cotidianas. Com isso, o bem-estar dos cães e gatos pode ser comprometido e alguns podem até mesmo adoecer.

"Estamos sujeitos a vários imprevistos no dia a dia e isso precisa ser levado em conta nesta fase tão desafiadora. Se, porventura, os pais e mães de pets têm a necessidade de se ausentar, tanto cães como gatos correm o risco de ter o bem-estar e saúde abalados. A dependência emocional em relação ao tutor não pode ser visto como um sinal de amor, pois é, na verdade, um transtorno que pode gerar a síndrome de ansiedade de separação", explica Thaís Matos, médica veterinária e especialista da área de Confiança & Segurança da DogHero , maior empresa de serviços para animais de estimação da América Latina.

A coordenadora de conteúdo veterinário da Petlove , Jade Petronilho, corrobora a afirmação com exemplos concretos. "O cão pode apresentar comportamentos que colocam seu bem-estar em xeque, como destruir objetos, chorar, latir, se automutilar e se lamber de forma constante. Os felinos domésticos, embora costumem ser mais sutis em seus sinais, podem desenvolver questões como lambedura excessiva (muitas vezes com o arrancamento de pelos), hábito de ingerir materiais não comestíveis e irritabilidade, por exemplo. Os gatos são naturalmente mais sensíveis e estressados do que os cães, mas muitos tutores não conseguem perceber quando algo não vai bem com eles logo de cara ", sinaliza.

Todos esses sinais podem acarretar em problemas de saúde física e mental no pet, que deve ser acompanhado por um médico veterinário , a fim de manter o bem estar e saúde do animal. "É importante que o tutor consiga lidar com essas questões, pois o comportamento de dependência não nasce com o cão, ele é desenvolvido conforme a criação e convivência com o tutor", ressalta Thaís.

Para os pets que são muito apegados a alguém da família ou têm dificuldade em lidar com os momentos de solidão, as especialistas da DogHero e Petlove selecionaram algumas dicas para orientar os tutores a lidar com as situações de ausência, são elas:

 

Mesmo sendo desafiador, comece a praticar o "desgrude"

Se o seu pet é sua sombra, então, uma dica é pensar no que pode fazer com que ele fique mais tempo nos ambientes em que você não está. Por exemplo, deixe o pet se divertindo com um brinquedo que ele ama na sala e vá trabalhar em um cômodo da casa com a porta fechada. Isso já é um passo para ele não sofrer quando precisar se ausentar.

 

Jamais dê tchau ou faça festas

"Sim, é bem difícil conseguirmos resistir, mas tente fazer com que suas chegadas e saídas sejam algo natural do dia a dia e não um evento especial. Saia calmamente sem falar com o pet e retorne sem fazer um alvoroço quando abre a porta. Quando fazemos isso, especialmente com um pet mais ansioso, colaboramos para que esse estado de euforia a cada ida ou vinda seja aumentado com o passar do tempo, o que pode fazer com que ele fique o dia todo, por exemplo, esperando por esse momento único", orienta Petronilho.

 

Ofereça novidades

Enriqueça a casa com itens que possam ocupar a cabeça do pet. Que tal uma caminha nova e mais confortável para ele? Ou ainda um tapete gelado (que ainda vai ajudá-lo a suportar melhor o calor)?. O tutor pode ainda optar por oferecer brinquedos que fazem o cão "caçar" o alimento ajudam bastante na missão. Tudo isso contribui para que ele passe a ter mais tempo com sua nova diversão e não fique preso à atenção dos pais. Para os felinos, os arranhadores, brinquedos, tocas, prateleiras e comedouros, são ideais para mantê-los entretidos por um bom tempo.

 

Mantenha uma nova rotina com o seu pet

O tutor pode ainda programar os momentos de brincadeira e as sessões de carinho, já pensando em como será num futuro pós-vacina. Se as interações com o gato forem logo pela manhã e ao final do expediente, comece desde já a acostumá-lo a ter um tempo maior com você na hora do café e depois só no comecinho da noite. Se os passeios com o cachorro serão noturnos com a volta ao escritório, então passe a dar uma volta com ele somente nesses períodos e o acostume a não criar expectativas de ir para a rua quando o sol ainda estiver aparecendo na janela .

 

Creche para cachorro

Não dê tchau com o coração partido, nem trabalhe com preocupação. Passe o dia sabendo que seu cãozinho está em boas mãos. Brincando o dia todo, seu cão gasta energia e fica tranquilo. A creche para cachorro é o melhor lugar para fazer novos amigos. Até quem pensa que o cãozinho é antissocial se surpreende!

 

Pet sitting

Com esse serviço, você não precisa se preocupar enquanto estiver fora da sua residência, pois durante sua ausência, serão realizadas visitas em sua casa, com duração de uma hora, para cuidar do seu animal de estimação. Desta maneira, seja seu pet um cãozinho caseiro, ou um gatinho dorminhoco, ele estará confortável e feliz, no local onde mais gosta, sua própria casa. O pet sitter brinca, coloca comida e água, troca tapetinho e o atende a tudo o que o pet precisa, caso seja idoso ou esteja em um tratamento especial, poderá dar os medicamentos. Muitos acham que o atendimento é só para os cachorros, mas atende a todos os pets, os gatos, hamsters, pássaros, porquinhos da Índia, répteis e até plantas.

 

Hospedagem domiciliar

Ideal para quem precisa se ausentar por muitos dias, uma solução amorosa para seu pet, pois ele irá passar a noite na casa de um anfitrião, treinado e capacitado, recebendo toda atenção e carinho que merece, como se estivesse em casa. É o lar que seu pet merece, pois o anfitrião cuida com amor e mantém a rotina dele como se estivesse na sua própria casa.

As orientações para os profissionais seguem todas as recomendações dos órgãos de saúde, reforçando os cuidados com higiene e saúde dos heróis, clientes e animais.