Alunos de Guarujá realizam passeata de conscientização contra dengue

A ação teve o intuito de levar à comunidade a importância do trabalho preventivo para a eliminação da doença

Comentar
Compartilhar
08 MAR 201317h02

Na última semana, os alunos da Escola Municipal Herbert Henry Dow realizaram uma passeata contra a dengue para conscientizar a população local. A proposta da ação, que ocorreu no entorno da Unidade, é a conscientização, mostrando a importância de se tomar os devidos cuidados na prevenção da dengue.
 
Munidos de cartazes, máscaras e faixas produzidos nas aulas, além de panfletos explicativos que foram entregues aos moradores, as crianças mostraram o quanto é importante a conscientização e o trabalho em conjunto para prevenir a doença.
 
A moradora Gelzimar Rodrigues Castro de Jesus aprovou a iniciativa. “Acho muito bom, porque as pessoas sabem que é preciso ter cuidado, mas precisam ser lembradas”.
 
Para a diretora da escola, Andréa Mariano, as crianças fazem a diferença e levam a ideia de conscientização para suas casas. “Acreditamos que, através das crianças, faremos com que a dengue possa ser eliminada. Eles se envolvem, ficam empolgados e vêm de suas casas relatando o que fizeram lá”, disse a diretora.
 
A aluna Micali Aparecida de Oliveira, de 9 anos, estava animada durante a passeata. “Gosto de fazer o material na sala e de participar da passeata. Em casa eu vejo se tem pneus e garrafas no quintal e ajudo meus pais”, contou.

Alunos da Escola Municipal Herbert Henry Dow realizaram uma passeata contra a dengue (Foto: Agência Brasil)

Para as professoras Ana Célia Rosa Marques e Nilcéia Morone dos Santos, as crianças já tem consciência do risco da dengue e a necessidade maior é reforçar a gravidade da doença. “Só faremos o trabalho de mãos unidas entre escola, Prefeitura, pais e moradores”, ressalta Célia.
 
Para a coordenadora de Ciências da Secretaria Municipal de Educação (Seduc), Érika Trombelli, ações como esta colaboram na formação de cidadãos para uma vida saudável. “Como multiplicadores de informações, os alunos atuam como protagonistas e têm um melhor entendimento da saúde como direito e responsabilidade pessoal e coletiva.”
 
Para a coordenadora de Controle e Combate à Dengue, Ana Lúcia Gama da Cruz, trabalhar com crianças é o melhor caminho, pois elas são multiplicadoras. “Quando o filho fala para os pais chama muito mais a atenção. Eles não apenas levam a ideia, mas também a executam. O melhor remédio é a prevenção, porque dengue necessita de ações simples. Além da Prefeitura, precisamos da participação efetiva dos moradores”.
 
O trabalho de prevenção é constante, com a intensificação, realizada pela Seduc, no início de cada ano. A Secretaria Municipal de Saúde também promove nas escolas municipais palestras, teatro de fantoches, filmes e jogos que ensinam como prevenir e detectar a doença