Alimentação encarece e eleva IPCA em outubro, diz IBGE

O maior impacto individual veio das carnes, que responderam por 0,08 ponto porcentual do IPCA, com alta de 3,17% em outubro, ante 0,88% em setembro

Comentar
Compartilhar
07 NOV 201312h11

O grupo de alimentação e bebidas foi responsável pelo maior impacto no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) no mês de outubro. A alta dessa classe foi de 1,03%, ante 0,14% no mês de setembro. Com isso, a contribuição ficou em 0,25 ponto porcentual dos 0,57% de alta do IPCA.

O maior impacto individual veio das carnes, que responderam por 0,08 ponto porcentual do IPCA, com alta de 3,17% em outubro, ante 0,88% em setembro. As acelerações do tomate (de -8,54% em setembro para 18,65% em outubro) e da farinha de trigo (de 2,61% para 3,75%) também impulsionaram o índice.

Entre os grupos, o segundo maior impacto veio da Habitação, com 0,08 ponto porcentual, apesar da desaceleração na passagem do mês, para 0,56% (ante 0,62%). Na sequência, os itens de vestuário ajudaram com 0,07 ponto porcentual da taxa geral, com forte aceleração. O grupo subiu 1,13%, ante alta de 0,63% em setembro.

Também aceleraram em outubro os preços de artigos de residência (de 0,65% em setembro para 0,81% em outubro), despesas pessoais (de 0,20% para 0,43%) e comunicação (-0,04% para 0,08%). Na contramão, tiveram recuo na taxa os grupos transportes (0,44% para 0,17%), saúde e cuidados pessoais (0,46% para 0,39%) e educação (0,12% para 0,09%).

O grupo de alimentação e bebidas foi responsável pelo maior impacto no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) no mês de outubro (Foto: Divulgação)