Aliar passado e futuro é missão da nova diretoria do IHGS

Instituto Histórico e Geográfico de Santos completa 79 anos de preservação e difusão de conhecimento

Comentar
Compartilhar
19 JAN 2017Por Rafaella Martinez10h30
O maior compromisso do grupo comandado pelo advogado e empresário Lupércio Mussi será o de concretizar a construção do Museu Histórico de Santos na sede do IHGSFoto: Matheus Tagé/DL

Integrar a sociedade santista resgatando a história com uma roupagem moderna aliada à tecnologia de ponta. Esse é o objetivo da nova diretoria que toma posse hoje, às 20h, no mesmo dia em que o Instituto Histórico e Geográfico de Santos (IHGS) completa 79 anos de existência.

O maior compromisso do grupo comandado pelo advogado e empresário Lupércio Mussi será o de concretizar a construção do Museu Histórico de Santos, que deverá ser erguido na área pertencente à instituição na Avenida Conselheiro Nébias, 689, no Boqueirão.

“O casarão onde o instituto está instalado é o mais antigo edifício fora do Centro Histórico de Santos, datado de 1886. Trabalhamos em um projeto de restauro dos moldes originais e construção de uma edificação moderna que converse com a antiga”, destaca o jornalista Sergio Willians, secretário geral do IHGS.

Na visão de Lupércio, a principal função da instituição é ter um caráter cultural-educativo, o que será potencializado com a instalação do museu. “Queremos que todas as gerações de santistas tenham a oportunidade de conhecer, de forma lúdica e moderna, a rica história de Santos. Para isso vamos dispor do uso de ferramentas tecnológicas, a exemplo do que já existe em espaços como o Museu da Língua Portuguesa e Museu do Amanhã”, aponta.

O projeto do Museu Histórico de Santos está sendo elaborado e buscará parcerias, via poder público e incentivos fiscais para ser desenvolvido.

Projetos

Além do museu, as novas diretrizes do IHGS serão intensificar o caráter de difusão da entidade, com a retomada da publicação Almanaque de Santos (revista), Almanaque Santista (coleção escolar), além de livros e projetos no ambiente digital e radiofônico.

A ideia também é criar uma biblioteca virtual em nuvem, com uma coletânea digitalizada de obras de autores santistas dos mais variados gêneros.

“O espaço é um patrimônio de todos, além de ser um resgate da memória afetiva dos santistas. Queremos resgatar e fixar a história para a eternidade”, finaliza o tesoureiro José Geraldo Gomes Barbosa.