Água: quem cuida tem

Hoje, no Dia Mundial da Água, a conscientização para o uso racional deste bem precioso ainda é ínfima

Comentar
Compartilhar
25 FEV 201321h14

Água, essencial à vida, este recurso está cada vez mais escasso na natureza. Hoje, no Dia Mundial da Água, a conscientização para o uso racional deste bem precioso ainda é ínfima. A análise é do presidente da Ong Amigos da Água, Miguel Scandon. A entidade desenvolve um trabalho de conscientização há sete anos por meio de palestras.

“Nós estamos destruindo a pouca água que nós temos, pouca porque a quantidade é pequena para 6 bilhões de pessoas consumindo (bebendo) de 2 a 3 litros por dia, no mundo”, afirmou o presidente da Ong Amigos da Água.

O apelo ao bom uso da água é feita de forma lúdica pelo presidente da ong que utiliza um capacete com uma torneira e um boton na camisa com um copinho do tamanho de um dedal. O intuito é alertar para a conscientização e para a escassez do recurso natural. “As pessoas precisam entender que o uso racional da água não trará só economia financeira, mas benefícios futuros, inclusive para a saúde, uma vez que o bem estará sendo preservado”, disse ele esclarecendo que beber cerca de 3 litros de água por dia ajuda a prevenir a formação de cálculos renais, disse Scandon.

Assim como Scandon, o gerente do setor de produção de água da Estação de Tratamento da Sabesp de Cubatão (ETA-Cubatão), engenheiro Roberto Ferreira, também alerta para a necessidade do consumo racional. “Reduzir o consumo de água aumenta bastante a vida útil da estação de tratamento. Com a diminuição da demanda de captação de água nos mananciais, os investimentos se limitarão apenas à manutenção das instalações, sem a necessidade de construir novas para atender a demanda de consumo”, explicou Ferreira.

A ETA de Cubatão abastece 604.222 famílias de Santos, São Vicente, Cubatão, Praia Grande e Guarujá. O crescimento populacional e das atividades agrícolas e industriais, aumentou e muito o consumo do recurso e consequentemente, o desperdício. Para cada cinco minutos de banho de chuveiro, são gastos 30 litros de água; uma descarga no vaso sanitário consome também 30 litros de água e uma torneira gotejando perde 50 litros de água por dia.

Mas as perdas não páram por aí. Segundo a Agência Nacional de Águas, cerca de 40% da água que sai das estações de tratamento não chegam até as torneiras dos consumidores. Entre os problemas apontados, estão a falta de manutenção nas redes de distribuição, falta de gestão adequada e roubo. “Aqui na ETA (Cubatão) conseguimos reduzir as perdas em 20% com a verificação dos problemas e o monitoramento nas redes”, disse Ferreira.