Aeroporto de Guarujá: reunião define estratégias por verbas da primeira fase

Prefeito está agendando reuniões em Brasília para buscar recursos do Fundo Nacional da Aviação Civil (FNAC)

Comentar
Compartilhar
27 JAN 2021Por Da Reportagem17h15
O encontro foi no Paço Municipal e contou com a presença do prefeito Válter SumanFoto: Divulgação/PMG

Em reunião na manhã desta quarta-feira (27), o grupo de trabalho formado para viabilizar a implantação do Aeroporto Civil Metropolitano de Guarujá definiu estratégias para o custeio das providências necessárias nesta primeira fase do projeto. Entre estas providências, está a instalação do terminal de passageiros e da cerca operacional que vai delimitar o espaço para as atividades civis e militares.

O encontro foi no Paço Municipal e contou com a presença do prefeito Válter Suman, da vice-prefeita Adriana Machado e do comandante da Base Aérea, Tenente Coronel Aviador Dayve Moraes Piva, além da superintendente da Infraero, Adriana Lopes Ramos e dos secretários municipais Rogério Lima (Desenvolvimento Econômico), Gilberto Venâncio (Governo) e do secretário Adjunto de Desenvolvimento Econômico, Gustavo Rondini. Por vídeoconferência, também participou do encontro o superintendente de Gestão da Operação da Infraero, Paulo Eduardo Cavalcante.

Para custear as atividades necessárias a esta primeira fase, o prefeito está agendando encontro na Secretaria Nacional de Aviação Civil, nos primeiros dias de fevereiro, quando vai pleitear recursos do Fundo Nacional da Aviação Civil (FNAC). "Esta primeira fase é vital para o registro do aeroporto junto à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac)", declarou o prefeito Válter Suman.

Três etapas

Todo o controle do aeroporto é do Município, com a gestão e operação aos cuidados da Infraero, que atua como uma prestadora de serviços. Com 47 anos de existência, a Infraero administra, atualmente, 55 aeroportos em todo o Brasil. O 56º será o de Guarujá. O acordo prevê três etapas para colocar o aeroporto em funcionamento.

A primeira, que está em andamento, consiste exatamente nestas ações, que culminam com o registro junto à ANAC e as obras de recuperação da pista, para colocá-la em condições de receber os primeiros voos. Na segunda fase, será viável a operação de jatos particulares e voos executivos. Nesse período, também será solicitada uma licença para operação de aeronaves de médio porte, como os aviões modelo ATR.

Já na terceira etapa, a Prefeitura e a Infraero buscarão novos recursos para concretizar a operação comercial no local, com a construção de novos hangares e demais estruturas físicas, possibilitando a implantação de voos comerciais com grandes aeronaves como Airbus 319 e Boeing 737, para os principais destinos do Brasil.