Aeroporto Civil de Guarujá deve começar operações no final do ano

Equipamento funcionará nas dependências da Base Aérea de Santos, no distrito de Vicente de Carvalho

Comentar
Compartilhar
31 MAI 2016Por Rafaella Martinez10h30
Prefeita Maria Antonieta de Brito assinou na tarde de ontem o edital de concessão, contrução e exploração comercial do Aeroporto Civil Metropolitano de GuarujáPrefeita Maria Antonieta de Brito assinou na tarde de ontem o edital de concessão, contrução e exploração comercial do Aeroporto Civil Metropolitano de GuarujáFoto: Rodrigo Montaldi/DL

Guarujá deverá alçar voos maiores a partir do segundo semestre desse ano com o início das obras do primeiro Aeroporto Civil Metropolitano. O empreendimento funcionará nas dependências da Base Aérea de Santos, em Vicente de Carvalho. O edital foi publicado na edição de hoje do Diário Oficial do Município. O período licitatório tramitará por 90 dias e a previsão de prazo para entrega do equipamento é de 18 meses.

O edital de concessão, construção e exploração do empreendimento foi assinado ontem pela prefeita Maria Antonieta de Brito (PMDB) em uma cerimônia realizada no Teatro Municipal Procópio Ferreira. O aeroporto incrementará o turismo de lazer e de negócios, além de servir o Polo Petroquímico e a Área Portuária.

A previsão da Prefeitura é que até o fim do ano o aeroporto já tenha voos provisórios. O equipamento também deve gerar aproximadamente 700 empregos na execução da obra e mais 1.500 entre diretos e indiretos no período de operação.

“Em breve teremos voos pelo Brasil saindo do Guarujá. Isso possibilitará uma grande geração de empregos, principalmente pelo fato de termos uma Escola Técnica de Manutenção de Aeronaves. Essa mão de obra qualificada será aproveitada”, destacou ­Antonieta.

O aeroporto funcionará em uma área de 260 mil metros, com uma pista de 1.390 metros (maior que o Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro), e futura proposta de ampliação para 1.600 metros quadrados. O projeto inclui terminal de passageiros, unidade de combate a incêndio, posto de abastecimento, pátio de aeronaves e hangares.

De acordo com Pedro Azambuja, presidente do Sindicato Nacional das Empresas de Administração Aeroportuária, a instalação do equipamento é de suma importância não apenas para a Baixada Santista, mas para todo o Estado de São Paulo e Brasil. “O turismo se beneficiará com a chegada de voos fretados, além da facilitação dos voos offshores”, destacou Azambuja.

Para Dário de Medeiros Lima, secretário adjunto de Desenvolvimento Tecnológico e Logístico, o principal fator que deve ser considerado dentro do projeto é a ausência de desapropriações. “Tivemos o cuidado de fazer um equipamento que atenda a demanda modal sem interferir no entorno”.

Passageiros

A expectativa é que o aeroporto atenda 113.971 passageiros no primeiro ano, dentre voos comerciais, offshore (helicópteros) e aviação executiva. Dentro de um período de 5 a 8 anos em operação, o empreendimento poderá registrar anualmente mais de um milhão de passageiros.

Além disso, haverá a permissão para voos comerciais na região, principalmente dentro do Estado de São Paulo. No entanto, também poderá ter rotas para Campinas, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Distrito Federal.

Sobre o aeroporto

O início das ações para instalação do aeroporto ocorreu em 2009, com a elaboração do projeto conceitual, que perdurou até 2010. No ano seguinte começaram as tratativas com a Secretaria de Aviação Civil (SAC) e Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC).  

Em 2013, Guarujá conseguiu obter a outorga da concessão, o que autorizou o município a iniciar os estudos ambientais necessários para implantação. A solenidade contou com a presença do atual presidente da República em exercício, Michel Temer.  

Em 2014, foram elaborados estudos de viabilidade técnica, econômica e ambiental. No ano passado, Guarujá recebeu a anuência da SAC para o projeto e ampliação da pista pela Força Aérea Brasileira.