Ademário Oliveira é denunciado ao Ministério Público

Ademário foi denunciado pelo mesmo motivo na Câmara mas a abertura de uma Comissão Processante para apurar responsabilidades e possível cassação ao prefeito foi arquivada

Comentar
Compartilhar
25 JUN 2019Por Carlos Ratton07h20
Vereador Antonio Vieira da Silva, o Toninho Vieira (PSDB), protocolou ontem denúncia contra o prefeito Ademário de OliveiraFoto: Nair Bueno/DL

Como havia anunciado, o vereador Antonio Vieira da Silva, o Toninho Vieira (PSDB), protocolou ontem denúncia contra o prefeito Ademário de Oliveira, também tucano, no Ministério Público (MP), por descumprimento do orçamento municipal do ano passado envolvendo 124 emendas impositivas aprovadas pelos parlamentares, totalizando pouco mais de R$ 9 milhões (R$ 9.176.000,00).

Ademário foi denunciado pelo mesmo motivo na Câmara mas, semana passada, a abertura de uma Comissão Processante para apurar responsabilidades e possível cassação ao prefeito foi arquivada pela bancada de sustentação do Governo.

Só dois

Somente os vereadores Laelson Batista Santos, o Lala (SD), e Toninho Vieira (PSDB), votaram pelo prosseguimento da denúncia. Os demais votaram pelo arquivamento, totalizando 11 a dois.

Os vereadores Rafael de Souza Villar, o Tucla (PT) e Ricardo de Oliveira, o Queixão (PDT), faltaram à sessão.

Para que o processo de cassação se iniciasse, era preciso que 2/3 dos vereadores votem a favor. Ou seja, 10 parlamentares.

Improbidade

Segundo a denúncia, Ademário de Oliveira teria cometido improbidade administrativa não comunicando a Câmara sobre alterações no orçamento e transferindo a execução das emendas para o exercício financeiro seguinte.

Com a iniciativa, o chefe do Executivo estaria incorrendo em "crime de desvio de verbas, tipificado no artigo 315 do Código Penal".

Toninho Vieira havia dito que iria acionar o Ministério Público por acreditar que seus colegas de planária teriam prevaricado - deixaram de cumprir suas funções de ofício.

Segundo pedido

Na Câmara, foi o segundo pedido de cassação ao qual Ademário é submetido. O primeiro foi rejeitado por 13 votos a dois e a questão foi a não implantação da nova iluminação pública no Município, apesar de ter criado uma taxa para a execução do serviço e com ela ter arrecadado mais de R$ 4 milhões até o dia que o pedido havia sido apresentado.

Sobre a questão do MP, a Prefeitura de Cubatão informou, via Assessoria de Imprensa, que ainda não chegou ao Gabinete do Prefeito nenhuma denúncia. Tão logo tome ciência do fato, Ademário de Oliveira deve se manifestar.

 

Colunas

Contraponto